A teoria da agenda globalmente estruturada para a educação e sua apropriação pela pesquisa em políticas educacionais

Ângelo Ricardo de Souza

Resumo


Este trabalho se propõe a discutir os elementos principais da teoria da agenda globalmente estruturada para a educação (AGEE), elaborada por Roger Dale (2004), buscando mostrar suas potencialidades e limites para a pesquisa em políticas educacionais. O texto apresenta as contribuições e limites da mencionada teoria, bem como analisa como os pesquisadores brasileiros tem se apropriado de suas ideias. Ao final, o artigo ainda indica possibilidades de abordagens para a pesquisa em políticas educacionais com base na teoria da AGEE.


Palavras-chave


Agenda Globalmente Estruturada para a Educação; Políticas Educacionais; Epistemologia; Roger Dale

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, T.; GARCIA, T. Oferta educativa e responsabilização no PDE: o Plano de Ações Articuladas. Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 135, p. 779-796, set./dez. 2008.

AFONSO, A. J. Avaliação Educacional: Regulação e Emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

AGUIAR, L. C. Um legado do século XX para a política educacional do século XXI: a teoria do capital humano. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.40, p. 126-144, dez.2010.

BANCO MUNDIAL. Estratégia 2020 para a Educação do Grupo Banco Mundial Resumo Executivo. Washington: Banco Mundial, 2011. Disponível em língua portuguesa em . Acesso em março de 2015.

BANCO MUNDIAL; OCDE. Emerging good practice in managing for development results. Disponívelem .Acessoemmarço de 2015.

BECKERT, J. Capitalist Dynamics: Fictional Expectations and the Openness of the Future. Max Planck Institute for the Study of Societies, Cologne. 2014.

BELLARDO, W. Trajetória da burocracia educacional: recrutamento e recursos de poder.Tese de Doutorado (Educação). Curitiba: UFPR, 2015.

BIANCHETTI, L. Condições de trabalho e repercussões pessoais e profissionais dos envolvidos com a pós-graduação stricto sensu: balanço e perspectivas. Linhas Críticas, v. 17, n. 34, Set-Dez 2011, p. 439-460.

BRANDÃO, Z. A teoria como hipótese. Teoria & Educação, n°5, 1992, pp. 161/9.

CAMPOS, R. A educação das crianças pequenas como estratégia para a contenção da pobreza: análise de iniciativas dos organismos internacionais em curso na América Latina. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.4, n.1, p.29-39, jan.-jun. 2009

CAMPOS, R.; CAMPOS, R. F. A educação das famílias pobres como estratégia política para o atendimento das crianças de 0 3 anos: uma análise do Programa Família Brasileira Fortalecida. Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 1 (58), p. 207-224, jan./abr. 2009.

CARVALHO, E. J. G. Reformas na administração educacional: Uma análise comparada entre Brasil e Portugal. Revista Portuguesa de Educação, 2014, 27(1), pp. 29-54.

CASASSUS, J. A reforma educacional na América Latina no contexto de globalização. Cadernos de Pesquisa. Novembro de 2001, n. 114, pp. 07-28.

CHAPANI, D. T.; CARVALHO, L. M. O.; TEODORO, A. Políticas de formação docente na Bahia: Uma análise a partir de pressupostos da teoria social de Habermas. Revista Brasileira de Pesquisa Sobre Formação de Professores, V. 02, n. 03, ago.-dez. 2010.

CORREIA LIMA, M; BERTIOLI CONTEL, F. Características atuais das políticas de internacionalização das instituições de educação superior no Brasil. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 3, n. 2, junho de 2008.

DALE, R. The state and education policy. Buckingham, Englad: Open University Press, 1989.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum ” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”?. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004.

DALE, R. Globalization, knowledge economy and comparative education. Comparative Education. V. 41, n. 2. P. 117-149, maio de 2005.

DALE, R. A sociologia da educação e o Estado após a globalização. Educação e Sociedade, Campinas, v.31, n.113, p.1099-1120, out./dez., 2010.

DALE, R. Poder, Política e Políticas Educacionais. Universidade Federal de Santa Catarina, 29 de outubro de 2014. Conferência de Encerramento do X Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. Florianópolis, 2014.

EVANGELISTA, O. Conhecimento e Diretrizes curriculares para o curso de Pedagogia no Brasil. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 2, 551-570, jul./dez. 2008

FREITAS, D. N. T. A avaliação da educação básica no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

GOERGEN, P. A internacionalização dos programas de pós-graduação. REP - Revista Espaço Pedagógico, v. 19, n. 2, Passo Fundo, p. 247-257, jul./dez. 2012.

GUILE, D. O que distingue a economia do conhecimento? Implicações para a educação. Cadernos de Pesquisa. V. 38, n. 135, set/dez 2008, p. 611-636.

INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION – IIE. Open doors 2011: InternationalStudentEnrollmentIncreasedby 5 percent in 2010/2011. Disponível em , Acesso em março de 2015.

JEZINE, E.; CHAVES, V.L.J.; CABRITO, B.G. O acesso ao ensino superior no contexto da globalização: Os casos do Brasil e de Portugal. Revista Lusófona de Educação. 2011, n.18, pp. 57-79.

MAINARDES, J.; ALFERES, M. Sociologia das políticas educacionais: contribuições de Roger Dale. Atos de pesquisa em educação. v. 9, n. 2, p. 392-416, mai./ago. 2014, Blumenau/SC.

MARI, C. L. Sociedade do conhecimento: ideologia acerca da ressignificação do conhecimento. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 2, 619-638, jul./dez. 2008.

MEYER, J.W.; KAMENS, D.H. Conclusion: accounting for a world curriculum. In: MEYER, J.W.; KAMENS, D.H.; BENAVOT, A. (Org.). School knowledge for the masses: world models curricular categories in the twentieth century. Londres: Falmer, 1992. p. 165-179.

MUNDY, K. Global Governance, Educational Change. Comparative Education. Vol. 43(3), pp. 39-58. 2007.

OECD. Teachers for the 21st Century: Using Evaluation to Improve Teaching. OECD Publishing, Paris, 2013.

OECD. Education at a Glance 2014: OECD Indicators, OECD Publishing, Paris, 2014.

OLIVEIRA, D. A. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas consequências para os trabalhadores docentes. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 92, p. 753-775, Especial - Out. 2005.

OLIVEIRA, R. P. Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: uma análise histórica. Educação e Sociedade 2007, vol.28, n.100, pp. 661-690.

SAMPAIO, M. M.; MARIN, A. J. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1203-1225, Set./Dez. 2004.

SCOCUGLIA, A. C. Globalizações, Política Educacional e Pedagogia Contra-Hegemônica. Revista Iberoamericana de Educación. N.º 48 (2008), pp. 35-51.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. A colonização da utopia nos discursos sobre profissionalização docente. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 02, p. 525-545, jul./dez. 2004.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Educação para o alívio da pobreza: novo tópico na agenda global. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, n. 20, p. 43-54, junho de 2006.

SOUZA, A. R. Perfil da Gestão Escolar no Brasil. Tese de Doutorado (Educação: História, Política, Sociedade). São Paulo: PUC-SP, 2007.

STREECK, W. How will capitalism end? New Left Review. V. 87, May-June 2014.

TELLO, C.; MAINARDES, J. La posición epistemologica de los investigadores en política educativa: debates teóricos en torno a las perspectivas neomarxista, pluralista y pos-estructuralista. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 20, n. 9, p. 1-27, mar. 2012.

TROJAN, R. Políticas educacionais na América Latina: tendências em curso. Revista Iberoamericana de la Educación, n.º 51/1 – 15 de diciembre de 2009.

UNESCO. Final Report, World Education Forum, Dakar, Senegal, 26-28 April 2000, UNESCO, 2000.

UNESCO. Financing Education – Investments and Returns, Analysis of the World Education Indicators, 2002 Edition - Executive Summary. Paris, 2002.

UNESCO. Pricing the right to education: The cost of reaching new targets by 2030. Paris, 2015. Disponível em . Acesso em março de 2015.




DOI: https://doi.org/10.21573/vol32n22016.63947

INDEXADORES

BBE – Bibliografia Brasileira de Educação (Brasília, MEC/INEP)
CLASE – Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (México, UNAM)
DIADORIM - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras
DOAJ - Directory of Open Access Journals
DRJI - Directory of Research Journals Indexing (Maharashtra, India)
Edubase (SBU/UNICAMP)
LATINDEX - Sistema Regional de Información em Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
Portal de Periódicos da Capes/MEC
Scielo Educ@ - Fundação Carlos Chagas-FCC, São Paulo/Brasil
Science Library Index - Meadow Springs, Mandurah State, Austrália
SUMÁRIOS.ORG - Sumários de Revistas Brasileiras

 

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Política e Administração da Educação,
da Associação Brasileira de Política e Administração da Educação
está licenciada com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/index

ISSN versão impressa: 1678-166X
ISSN versão eletrônica: 2447-4193

Prefixo DOI: 10.21573