PARTILHAS VIRTUAIS, ATOS COMPARTILHADOS:

transposição de acervos de pesquisas e construções coletivas de “pesquisadores nativos”

Autores

  • Sabrina Dinola Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Unirio
  • Bianca Rihan Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0003-1988-1779
  • Regina Abreu Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Iria Borges Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.133559

Palavras-chave:

Plataforma digital, Observatório, Memórias e salvaguardas do Samba, Nativos-pesquisadores

Resumo

O artigo reflete sobre as dinâmicas da plataforma digital do “Observatório do Patrimônio Cultural do Sudeste”, criada com o intuito de dar visibilidade aos processos de patrimonialização e salvaguarda de manifestações culturais nos estados de Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo.  Ultrapassando as "funções" de um repositório de dados de pesquisas etnográficas, a plataforma é ressaltada como um complexo sociotécnico co-construído por relações e memórias distintas. A partir das respectivas páginas componentes do sítio “Matrizes do Samba do Rio de Janeiro”, “Pequena África Paulistana” e “Dança do Samba”, e do protagonismo de pesquisadores-nativos em suas dinâmicas de confecção, são tratados os deslocamentos/transformações político-epistemológicos nas práticas e representações arroladas no campo do patrimônio imaterial. Do “gesto patrimonial” ao denominado “ato compartilhado”, aponta-se para uma proposta de cultura radicalmente atrelada à democracia e à reparação histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Dinola, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Unirio

Sabrina Dinola Gama Silva é Doutora e Mestra em Memória Social pelo Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (PPGMS-Unirio). Atualmente desenvolve sua pesquisa de pós-doutorado intitulada "Simetrias e assimetrias na digitalização da cultura: sociabilidade e memórias coletivas em torno da música popular no ciberespaço" (PPGMS-Unirio/ FAPERJ-Pós-Doutorado Nota 10). Atua nas áreas de memória e patrimônio, música popular, antropologia da música e do som e etnomusicologia. Possui bacharelado em Sociologia e Política (FESP-SP), licenciatura em Ciências Sociais e especialização em Sociologia Urbana (UERJ). É autora da tese: "Na trilha dos fonogramas com Charles Gavin: o álbum como artefato de memória da música no Brasil", do livro "Imagens que dão voz: memória da canção brasileira em documentários" e de artigos relacionados aos temas. É professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (PPGMS-Unirio). Atua como supervisora de pesquisa do Observatório do Patrimônio Cultural do Sudeste.

Bianca Rihan, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta do Departamento de Processos Técnico-Documentais e do Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Doutora em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) em convênio com a Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO - UFRJ). Mestra em História Social pelo Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Bacharel e licenciada em História também pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Tem experiência com pesquisas sobre ditaduras latino-americanas, movimentos sociais de resistência e sobre mediações de linguagens locais como tecnologias para o desenvolvimento e a transformação social. Áreas de interesse: informação, memória e documento; teoria e epistemologia da informação e do documento; economia política da informação, da comunicação e da cultura; memória, cultura e patrimônio.

Regina Abreu, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

É Doutora em Antropologia Social (PPGAS-Museu Nacional) e possui Pós-Doutorado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Atuou como pesquisadora visitante do Instituto de Recherche Interdisciplinaire sur les Enjeux Sociaux-IRIS. Especialização em Recherches en Sciences Sociales (EHESS). É  Professora Associada da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Bolsista de Produtividade do CNPq 2; Integrante do Corpo Docente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social/UNIRIO. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq “Memória, Cultura e Patrimônio”, Coordenadora do Projeto de Pesquisa “A Patrimonialização das Diferenças” (apoio CNPq), Coordenadora do “Observatório do Patrimônio Cultura do Sudeste” (apoio Faperj). Tem experiência na área de Antropologia Social nas interfaces com a Memória Social, o Patrimônio Cultural, os Museus, o Áudio-Visual e o Estudo de Trajetórias.

Iria Borges, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Com graduação em Ciências Sociais (UFRJ) e mestrado em Memória Social (UNIRIO), é pesquisadora da área da cultura e patrimônio e se interessa pela gestão e pesquisa em acervos, coleções e documentação em centros de pesquisa, arquivos e museus. Também interessada em educação museal e projetos culturais. Desenvolveu dissertação de mestrado intitulada "Mário de Andrade e a poética do colecionamento: entre a etnografia, o patrimônio e o conhecimento sensível" cujo objetivo foi explorar o colecionamento de Mário de Andrade em sua qualidade processual, atravessado por apropriações da etnografia feitas pelo poeta paulistano nas décadas de 1920 e 1930 e os desdobramentos na área do patrimônio e memória social nos dias atuais. No momento atua no Observatório do Patrimônio Cultural do Sudeste (Labim/Unirio).

 

Referências

ABREU, Regina. “Futuros Imaginados: O Gesto Patrimonial e o conceito de "diversidade cultural". In: Vivência: Revista de Antropologia, v. 1, n. 55, p. 250-270, 2020.

Disponível em: http://www.reginaabreu.com/site/images/attachments/artigos/23545-Texto%20do%20artigo-76382-1-10-20201211.pdf

ABREU, Regina; DINOLA, Sabrina, FELIX, Rafael. “Observatório do Patrimônio Cultural do Sudeste: relato de uma experiência de “memoração” do patrimônio cultural”. In Graebin, Maria Gomes [et al] (org.). Memória Social em Movimento. Canoas -RS: Ed. Unilasalle, 2022. pp. 43-70.

ALMEIDA, Marco Antônio; NOGUEIRA, João Robson. Mediações sociotécnicas, políticas e ação cultural: explorando territórios. Perspectivas, São Paulo, v. 43, 2013.

ANDERSON, Benedict. 2008 [1983]. Comunidades Imaginadas: reflexões sobre a

origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Um mapa da Ciência da Informação: história, subáreas e paradigmas. ConCI: Conv. Ciênc. Inform., São Cristovão/SE, v. 1, n. 1, p. 45-70, jan./abr. 2018.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: brasilense, 2012.

BORGES, Fabiane. 2016. zapatismo e tecnoxamanismo, 2016. Disponível In: https://tecnoxamanismo.wordpress.com/2017/01/05/nas-sincronicidades-dos movimentos/ Acesso em 18 de nov. 2017.

BORKO, Harold. 1968. Information science: what is it? American Documentation, Jan,1968.

CAPURRO, Rafael. 2003. Epistemologia e ciência da informação. ENANCIB, 14, 2003, Belo Horizonte. ANAIS. Disponível em: http://www.capurro.de/enancib_p.htm

CARVALHO, José Jorge de.; Flórez, Juliana. 2014. “Encuentro de Saberes: proyecto para decolonizar el conocimiento universitário eurocêntrico”, in Nómadas, nº 41, 131-147, 2014.

CLIFFORD, James. 1998. “Sobre a autoridade etnográfica”. In: A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

DAMASCENO, V. 2007. Notas sobre individuação intensiva em Simondon e Deleuze. O que nos faz pensar, [s.l.], v. 16, n. 21, p. 169-182, jul. 2007.

DAVALLON, Jean. “Memória e patrimônio: por uma abordagem dos regimes de patrimonialização”. In: TARDY, C. (Org.); DODEBEI, Vera (Org.). Memória e novos patrimônios. 1. ed. Marseille: OpenEdition Press, 2015.pp. 47-66.

DINOLA, Sabrina; ABREU, Regina. “Um observatório do patrimônio cultural: ações e práticas patrimoniais em experiências de campo e em partilhas virtuais”. Revista Aceno – Revista de Antropologia do Centro-Oeste. Dossiê temático: “Processos de patrimonialização e suas articulações no contexto latino-americano”, no prelo.

FIGUEIRA, Monique. Os yanomami, cibernéticos como a natureza: notas a partir do materialismo dialético de Álvaro Vieira Pinto. Revista Eptic. vol. 24, nº 1, JAN.-ABR. 2022

FRASER. Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós- socialista”. Cadernos de campo, São Paulo, n. 14/15, p. 1-382, 2006 [2001]

GALINDO, Marcos. et al. 2015. A Rede Memorial e sua missão informacional: sistemas memoriais e redes de colaboratividade. ENANCIB, 27, 2015, Belo Horizonte. ANAIS.

Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/download/189820

Acesso: abril de 2023

GALVÃO, Fernanda; MENEZES, Vinícios; SALDANHA, Gustavo. 2022. Os afetos nos artefatos da razão: caminhos críticos da verdade no Antropoceno. Liinc em Revista. v. 18 n. 1 (2022)

GEERTZ, Clifford. A interpretação das Culturas. LTC editora. 1989.

GOLDMAN, 2021. “’Nada é igual’: variações sobre a relação afroindígena”. Mana 27(2); p. 1-39.

HARGREAVES, S. 2021. “Pós-extrativismo”. In KOTHARI, A.; A. SALLEH, A. ESCOBAR, F. DEMARIA & A. ACOSTA (orgs.) Pluriverso: dicionário do pós-desenvolvimento. São Paulo: Editora Elefante.

KAÇULA, Tadeu. Casa Verde: uma pquena África paulistana. Editora: LiberArts, 2020.

KLEBA, John Bernhard. 2006. Tecnologia, ideologia e periferia: um debate com a filosofia da técnica de Álvaro Vieira Pinto. Convergencia. Revista de Ciencias Sociales, vol. 13, núm. 42, septiembrediciembre, 2006, pp. 73-93, Universidad Autónoma del Estado de México. México.

LATOUR, Bruno. “Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções”. In: Baratin, M. & Jacob, C. (coord.) O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ, 2000. pp. 21-44.

_______________. Reagregando o Social. São Paulo: Edusc, 2012.

_______________. Jamais fomos modernos. Tradução de Carlos Irineu da Costa. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2013.

FERREIRA LIMA FILHO, Manuel. Cidadania Patrimonial. Revista Anthropológicas, Ano 19, 26(2): 134-155, 2015

LOGAN , Robert K. 2012. Que é informação? Rio de Janeiro: Contraponto e PUC-Rio.

RIHAN, Bianca; SALDANHA, Gustavo. 2019. Tecnicidade, teoria da informação e tradição: das potências de um novo mundo (informacional) possível. Em Questão, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 190-207, maio/ago. 2019.

ROMANINI, Anderson; MIELI, Renata. 2021. A comunicação dominada pelas “big techs” digitais: superabundância informativa, espetáculo, alienação e fabricação de sentido no mundo algorítmico. Revista Eptic. vol. 23, n 1, JAN.-ABR. 2021

SIMAS, Luiz. Antônio; RUFINO, Luiz. 2018. Fogo no mato: as ciências encantadas das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SMALL, Christopher. Musicking: the meanings of performing and listening.

Hanover, NH: Univ. Press of New England, 1998.

SRNICEK, Nick. 2014. Capitalismo de plataformas. Caja Negra Editora, 2014.

___________. 2019. Imaginar plataformas alternativas. Entrevista com Nick Srnicek. 2019. Disponível em: https://digilabour.com.br/2019/10/11/srnicek-capitalismo-deplataforma-mudancas/.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

VALENTE, Jonas. 2019. Regulando desinformação e fake news: um panorama internacional das respostas ao problema. Comunicação Pública, v. 14 n. 27, 2019.

VELHO, Gilberto. Biografia, trajetória e mediação. In: VELHO, Gilberto; KUSCHNIR, Karina (orgs.). Mediação, Cultura e Política. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.

VELHO, Otávio. 2007. “Mistura ou diferença?”. In: Mais realistas do que o rei: ocidentalismo, religião e modernidades alternativas. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007; p.313-325.

______________. 2018. “A ideologia da miscigenação e os movimentos sociais” In: Antinomias do real. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; p.99-113.

VIEIRA, Suzane; VILLELA, Jorge (Orgs.). Insurgências, ecologias dissidentes e antropologia modal. Goiânia: Editora da Imprensa Universitária, 2020. 349 p.

VILLORO, Juan. La duración de laimpaciencia. In: El pensamento crítico frente a la hidra capitalista II: EZLN, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, E. “Brasil, país do futuro do pretérito.” Aula Inaugural do CTCH, PUC-RIO; n-1 edições, 2019. Disponível em: https://buscaintegrada.ufrj.br/Record/aleph-UFR01-000877771

Downloads

Publicado

2023-10-07

Como Citar

DINOLA GAMA SILVA, S.; RIHAN PINHEIRO AMORIM, B.; MARIA DO REGO MONTEIRO DE ABREU, R.; BORGES, I. PARTILHAS VIRTUAIS, ATOS COMPARTILHADOS:: transposição de acervos de pesquisas e construções coletivas de “pesquisadores nativos”. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 24, n. 65, p. 66–100, 2023. DOI: 10.22456/1984-1191.133559. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/133559. Acesso em: 23 fev. 2024.