DIADORIM-MENINO: Transgeneridade e imagem mitopoética em Grande Sertão: Veredas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.116313

Palavras-chave:

Diadorim, Transgênero, Grande sertão, veredas, Imagem dialética

Resumo

O romance Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa, é uma história de medo e atração, assombro e fascínio. Na travessia do rio São Francisco, Riobaldo, o narrador-protagonista, passa por um ato de transformação de caráter iniciático (Bolle, 2005). Discutiremos a personagem Diadorim enquanto o médium dessa travessia por meio de uma abordagem transgênero: Menino, vestido de boiadeiro, com imensos olhos verdes. Mediante uma postura aproximativa, identificamos em Diadorim a figura do encantamento e da repulsa, sentimentos distintos que conduzem Riobaldo ao confrontamento de sua própria sexualidade que é, por sinal, marcada pelo “regime da diferença sexual” (Preciado, 2020). A noção de imagem dialética (Benjamin, 2009) é o prisma pelo qual investigamos o embate entre as faces bela e terrível de Diadorim e que nos permitiu identificar, com a noção de travessia, elementos para uma leitura baseada num paradigma trans.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Bessa, Universidade de Brasília

Professor do Mestrado Profissional Inovação em Comunicação e Economia Criativa da Universidade Católica de Brasília (UCB). Mestre e Doutorando em comunicação pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em Filosofia da Arte (IFITEG/UEG). 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BANDEIRA, Manuel. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1983.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

BOLLE, Willi. Grandesertão.br: o romance de formação do Brasil. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2004.

BROCK, Ashley. The Queer Temporality of Grande Sertão: veredas. In: Chasqui - Revista de literatura latino-americana. N. 47.2, novembro de 2018. p. 190-203.

CABRAL, Mauro. La paradoja transgénero. Boletín Electrónico del Proyecto Sexualidades, salud y derechos humanos en América Latina, n.º 18, p. 97-104, 2006.

CASTRO, Gustavo; BESSA, Leandro. Crítica do silêncio temático em Grande sertão: veredas. In: Mídia e Cotidiano – Revista do Programa em Mídia e Cotidiano da UFF. V. 14 n. 2. Rio de Janeiro: UFF, 2020.

_____; MORAES, Vanessa (org.). Imaginário de Infinito em Guimarães Rosa. In: Nove Imaginários do INS. Brasília: Fac Livros, 2018, pp. 41-52.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Falenas: Ensaios sobre a aparição, trad. A. Preto, V. Brito, et. al., KKYM, Lisboa, 2015.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Phasmes: Essais sur l'Apparition, 1. Paris: Éditions de Minuit, 1998.

DORVAL, Camila Canali: Diadorim: Sereia silenciosa e silenciada do sertão. In: Anais da XI Semana de Letras – O Cotidiano das Letras, org. Jocelyne Bocchese. PUC-RS, 2011.

FLIP, Transições, com Caetano Veloso e Paul B. Preciado. Mediação de Ángel Gurría-Quintana. 1 vídeo (1h33m23s). Publicado pelo canal da FLIP em 05 de dez. de 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MxVB_lbOu8U. Acesso em: 31 de março de 2021.

GALVÃO, Walnice Nogueira. As formas do falso: um estudo sobre a ambiguidades no Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Perspectiva, 1986.

______. Walnice Nogueira. A donzela-guerreira: um estudo de gênero. São Paulo: SENAC, 1998.

HALBERSTAM, Jack. Masculinidad Femenina, Barcelona: Egales, 2008.

HAZIN, Elizabeth. No nada, o infinito: (da gênese do Grande sertão: veredas). Tese de Doutorado. São Paulo: USP, 1991.

JESUS, Jaqueline Gomes et al. Transfeminismo: Teorias e práticas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

MOIRA, Amara. Sobre aquele “monstruoso corpo de delito”: Um amplo panorama de personagens transexuais na literatura brasileira. Suplemento Pernambuco, dez. 2018. (p. 18-19)

NUNES, Benedito. “O amor na obra de Guimarães Rosa”. In: O dorso do tigre. São Paulo: Ed. 34, 2009. p. 137-166.

OLIVEIRA, Leandro de Bessa. Imagens e Imaginários de Diadorim: uma perspectiva queer em Grande sertão: veredas. In: XV Congresso Internacional da ABRALIC. Brasília: UnB, 2019. (p. 1687-1689)

PLATÃO. O Banquete. Porto Alegre: L&PM, 2013.

PRECIADO, Paul B. Um apartamento em Urano: Crônicas sobre a travessia.

PRECIADO, Paul B. Je suis un monstre qui vous parle: Rapport pour une académie de psychanalystes. Paris: Bernard Grasset, 2020.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

______. Guimarães Rosa por ele mesmo: O escritor no meio do redemoinho. In: Cadernos de Literatura Brasileira: João Guimarães Rosa. São Paulo: Instituto Moreira Sales, p. 77-93, 2006.

ROWLAND, Clara. A Forma do Meio: livro e narração na obra de João Guimarães Rosa. Campinas, SP, Unicamp; Edusp, 2011.

SANTIAGO, Silviano. Genealogia da Ferocidade: Ensaio sobre Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. Recife: Cepe, 2017.

STRYKER, Susan. Historia de lo trans: Las raíces de la revolución de hoy. Madri: La pasión de Mary Read, 2017.

TIBURI, Marcia. Diadorim: Biopolítica e gênero na metafísica do Sertão. In: Estudos Feministas: Florianópolis, 21(1): 424, janeiro-abril/2013, p. 191-207.

UTEZÁ, Francis. JGR: Metafísica do Grande Sertão. 2ª ed. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo; PULM (Presses Universitaires de le Méditerranée), 2016.

WERNECK, Gustavo; GUZANSHE, Alexandre; BOTTREL, Fred. Especial travessia. Estado de Minas, Disponível em: http://especiais.em.com.br/travessia. Acesso em: 31 de março de 2021.

Downloads

Publicado

2022-11-24

Como Citar

BESSA, L. DIADORIM-MENINO: Transgeneridade e imagem mitopoética em Grande Sertão: Veredas. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 23, n. 62, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.116313. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/116313. Acesso em: 8 fev. 2023.