Dermatite atópica em crianças e adolescentes durante a pandemia COVID-19: piora clínica associada ao medo de infecção

Autores

  • Caroline dos Santos Mendes de Oliveira Escola de Saúde Pública, Residência Integrada em Saúde, Porto Alegre, Rio Grande do Sul - Brasil
 https://orcid.org/0000-0001-7552-1853
  • Tanara Vogel Pinheiro Secretaria Estadual da Saúde – RS, Ambulatório de Dermatologia Sanitária, Porto Alegre, Rio Grande do Sul - Brasil https://orcid.org/0000-0002-8857-9971
  • Luciana Castoldi Secretaria Estadual da Saúde – RS, Ambulatório de Dermatologia Sanitária, Porto Alegre, Rio Grande do Sul - Brasil https://orcid.org/0000-0002-4635-0749
  • Cristiane Almeida Soares Cattani Secretaria Estadual da Saúde – RS, Ambulatório de Dermatologia Sanitária, Porto Alegre, Rio Grande do Sul - Brasil https://orcid.org/0000-0002-6596-7509

Palavras-chave:

Dermatite Atópica, COVID-19, Autocuidado, Pediatria, Equipe de Assistência ao Paciente

Resumo

Introdução: A dermatite atópica é uma doença crônica e recidivante, influenciada por
fatores ambientais, que necessita prescrições médicas frequentes. O objetivo deste
estudo foi investigar se crianças e adolescentes com dermatite atópica atendidos em
um serviço público tiveram agravamento das lesões ou dificuldades no autocuidado
durante a pandemia COVID-19.
Métodos: Estudo longitudinal retrospectivo. Os dados foram coletados do prontuário
de pacientes com dermatite atópica menores de 18 anos atendidos em um ambulatório
público de referência do Rio Grande do Sul. A percepção sobre o agravamento das
lesões foi avaliada pelos testes Qui-quadrado ou Exato de Fisher e regressão de
Poisson foi utilizada para estimar o risco de agravamento das lesões conforme o
medo da COVID-19.
Resultados: Foram avaliados 33 pacientes, sendo 70% do sexo feminino e 57,6%
residentes na capital. A média de idade foi de 9,6 ± 3,9 anos e o tempo médio de
acompanhamento pelo serviço 4,6 ± 2,9 anos. A percepção de agravamento das lesões
durante o período de suspensão dos atendimentos esteve presente em 81,8% das
crianças/adolescentes. As crianças relataram com frequência o aumento de coceira
(78,3%) e descamação (60,9%), enquanto os adolescentes referiram maior aumento
da vermelhidão (60%). O medo de contrair o vírus foi associado a um risco oito vezes
maior de apresentar agravamento das lesões.
Conclusões: O alto percentual de crianças/adolescentes com agravamento das
lesões e a associação da piora da doença com o medo relacionado à pandemia
reforçam a importância do acompanhamento destes por equipe multidisciplinar que
observe fatores fisiopatológicos e psicossociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-05-25

Como Citar

1.
Oliveira C dos SM de, Pinheiro TV, Castoldi L, Cattani CAS. Dermatite atópica em crianças e adolescentes durante a pandemia COVID-19: piora clínica associada ao medo de infecção. Clin Biomed Res [Internet]. 25º de maio de 2022 [citado 9º de agosto de 2022];42(1). Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/114379

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)