A “Lei da Disparidade Curvilinear”: Análise Exploratória com Dirigentes e Eleitores do PMDB de Belo Horizonte

Autores

  • Helcimara de Souza Telles Universidade Federal de Minas Gerais
  • Paulo Victor Melo Universidade Federal de Minas Gerais.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-5269.44482

Palavras-chave:

Partidos Políticos, Ideologia, Lei da Disparidade Curvilinear, PMDB.

Resumo

Este artigo propõe-se a analisar o vínculo entre eleitores e partidos, utilizando como referência teórica a “Lei de Disparidade Curvilinear”. De acordo com esta lei, em função da necessidade de êxito eleitoral, os líderes dos partidos tendem a ser menos radicais em suas posições do que os seus militantes, assemelhando–se, assim, aos seus eleitores. Para testar a hipótese de vínculos ideológicos entre dirigentes partidários e eleitores, foram realizadas entrevistas com os membros da Executiva Municipal do PMDB de Belo Horizonte e um survey com eleitores desta cidade, em 2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helcimara de Souza Telles, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais.

Paulo Victor Melo, Universidade Federal de Minas Gerais.

Doutorando em Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais.

Downloads

Publicado

2014-04-28

Como Citar

Telles, H. de S., & Melo, P. V. (2014). A “Lei da Disparidade Curvilinear”: Análise Exploratória com Dirigentes e Eleitores do PMDB de Belo Horizonte. Revista Debates, 8(1), 149–188. https://doi.org/10.22456/1982-5269.44482

Edição

Seção

Dossiê

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)