Fontes históricas na sala de aula: uma possibilidade de produção de conhecimento histórico escolar?

Flávia Eloisa Caimi

Resumo


A incorporação e a utilização de fontes históricas nas aulas de história constituem pauta dos debates acadêmicos e escolares atuais, nos quais se discute acerca das suas possibilidades como elemento de superação do conteudismo/verbalismo e das suas potencialidades como instrumento de produção de conhecimento histórico na educação básica. Este estudo apresenta a problematização do tema, identificando nos antigos manuais escolares e nos atuais livros didáticos, bem como nas políticas públicas instauradas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), os usos propostos e efetivados de fontes como alternativa para a produção de conhecimento histórico no âmbito do ensino da história escolar, reconhecendo mudanças e permanências ali manifestadas.


Palavras-chave


Ensino de história; Fonte histórica; Produção de conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: história. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 1998.

________. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Secretaria de Educação Básica. Programa Nacional do Livro Didático. Edital de convocação para inscrição no processo de avaliação e seleção de obras didáticas a serem incluídas no guia de livros didáticos para os anos finais do ensino fundamental. PNLD/2008.

________. Ministério da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2008: História. Brasília: MEC, 2007. (Anos Finais do Ensino Fundamental).

BITTENCOURT, Circe M. F. Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

CAIMI, Flávia Eloísa. Aprendendo a ser professor de história. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2008.

FICO, Carlos. Algumas anotações sobre historiografia, teoria e método no Brasil dos anos 1990. In: GUAZELLI, Carlos A.B et al. Questões de teoria e metodologia da história. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2000. p. 27-40.

FONSECA, Thaís Nívia de Lima e. História e ensino de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo. Os historiadores e a cultura material. In: PINSKY, C. B. Fontes históricas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

GOMES, Ângela de Castro. A reflexão teórico-metodológica dos historiadores brasileiros: contribuições para pensar a nossa história. In: GUAZELLI, Carlos A.B. et al. Questões de teoria e metodologia da história. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2000. p. 19-26.

MATTOS, Selma R. O Brasil em lições: a história como disciplina escolar em Joaquim Manoel de Macedo. Rio de Janeiro: Access, 2000.

OLIVEIRA, M.C.C.; FERRARESI, C.M.; SANTOS, A.P. História em projetos. 8ª série. São Paulo: Editora Ática, 2007.

POMBO, Rocha. Nossa pátria. 79. ed. São Paulo: Companhia Melhoramentos, s/d.

PRATS, Joaquin. Ensinar história no contexto das ciências sociais: princípios básicos. Educar. Curitiba: Editora UFPR, n. esp., p. 191-218, 2006.

RODRIGUES, José Honório. A pesquisa histórica no Brasil. 4. ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1982.

SAMARA, Eni de Mesquita; TUPY, Ismênia S. Silveira. História e documento e metodologia de pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SERRANO, Jonathas. A Escola Nova. Uma palavra serena, em um debate apaixonado. Rio de Janeiro: Schmidt, 1932, p. 115.

________. Epítome de história universal. 17. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1937.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. História com Pedagogia: a contribuição da obra de Jonathas Serrano na construção do código disciplinar da História no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p.189-211, 2004.

VITÓRIA, J.P.; ADAMI, F. História do Brasil. Primeira série ginasial. São Paulo: Livraria Franscisco Alves; Paulo de Azevedo, 1955.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.7963

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul