A disponibilidade de cirurgiões-dentistas na rede de atenção de Florianópolis, SC: examinando a Lei dos Cuidados Inversos

Autores

  • Maíra Tonelli
  • João Luiz Bastos Universidade Federal de Santa Catarina https://orcid.org/0000-0002-1816-0745
  • Pierre Guedes de Araújo
  • Renata Goulart Castro

DOI:

https://doi.org/10.22456/2177-0018.123017

Palavras-chave:

Equidade em saúde, Saúde bucal, Odontologia, Brasil

Resumo

Objetivo: O presente estudo analisou a Lei dos Cuidados Inversos na distribuição de cirurgiões-dentistas e de suas cargas horárias pelos territórios da Estratégia de Saúde da Família (ESF) de Florianópolis, sul do Brasil. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo ecológico, que analisou a cobertura odontológica e as necessidades em saúde bucal da população nos territórios dos 49 centros de saúde do município. Enquanto informações relativas aos cirurgiões-dentistas foram obtidas da Secretaria Municipal de Saúde e do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, as necessidades de saúde da população foram indiretamente estimadas pelo nível de privação socioeconômica dos territórios adstritos da ESF no município. A relação entre as variáveis foi examinada por meio de mapas sinópticos e pelo coeficiente de correlação de Spearman, considerando-se significativos os resultados com valores de probabilidade menores do que 5%. Resultados: Nenhum dos dois indicadores de cobertura odontológica apresentou relação estatisticamente significativa com o nível de privação socioeconômica dos territórios adstritos da ESF, não estando vinculados às necessidades de saúde da população. Discussão: Tais achados podem ser atribuídos ao maior poder político/simbólico de segmentos abastados da população, bem como à preferência dos profissionais por atuar em locais menos afetados pela privação. Conclusão: Gestores e outros profissionais devem estar atentos à equidade no Sistema Único de Saúde, uma vez que esta pode não estar sendo contemplada na organização das redes de atenção à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hart JT. The inverse care law. The Lancet. 1971;1(7696):405-12.

Victora CG, Joseph G, Silva ICM, Maia FS, Vaughan JP, Barros FC, et al. The inverse equity hypothesis: analyses of institutional deliveries in 286 national surveys. American Journal of Public Health. 2018;108(4):464-71.

Souza TM, Roncalli AG. Saúde bucal no Programa Saúde da Família: uma avaliação do modelo assistencial. Cadernos de Saúde Pública. 2007;23(11):2727-39.

Aurelio Peres M, Simara Fernandes L, Glazer Peres K. Inequality of water fluoridation in Southern Brazil--the inverse equity hypothesis revisited. Social Science and Medicine. 2004;58(6):1181-9.

Rasella D, Basu S, Hone T, Paes-Sousa R, Ocke-Reis CO, Millett C. Child morbidity and mortality associated with alternative policy responses to the economic crisis in Brazil: a nationwide microsimulation study. PLoS Medicine. 2018;15(5):e1002570.

Giovanella L, Franco CM, Almeida PF. National primary health care policy: where are we headed to? Ciência e Saúde Coletiva. 2020;25(4):1475-82.

Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis. Centros de Saúde e Distritos Sanitários: Prefeitura Municipal de Florianópolis; 2022 [acesso 15 jan 2021]. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/saude/index.php?cms=centros+de+saude&menu=0.

Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde. CNESNet: Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde, Brasil; 2022 [acesso 23 jan 2021]. Disponível em: http://cnes2.datasus.gov.br/.

Oliveira JB. Desenvolvimento de um índice de privação socioeconômica para o estado de Santa Catarina. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2018.

Downloads

Publicado

2022-10-20

Como Citar

Tonelli, M. ., Bastos, J. L., Araújo, P. G. de, & Castro, R. G. . (2022). A disponibilidade de cirurgiões-dentistas na rede de atenção de Florianópolis, SC: examinando a Lei dos Cuidados Inversos. Revista Da Faculdade De Odontologia De Porto Alegre, 63(2), 6–11. https://doi.org/10.22456/2177-0018.123017

Edição

Seção

Comunicação Breve