CUSTOS BILATERAIS E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO:

UMA ANÁLISE PARA O BRASIL

Autores

  • Michelle Márcia Viana Martins Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP) http://orcid.org/0000-0002-0790-5625
  • Orlando Monteiro da Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Fernanda Aparecida Silva Universidade Federal de Viçosa

DOI:

https://doi.org/10.22456/2176-5456.97430

Palavras-chave:

Acordo de Facilitação de Comércio, custos comerciais, barreiras não tarifárias

Resumo

O objetivo deste trabalho é mensurar o impacto das medidas propostas pelo Acordo de Facilitação de Comércio (AFC) sobre os custos comerciais bilaterais não tarifários entre o Brasil e seus parceiros. Utiliza-se um modelo gravitacional adaptado com dados do período de 2007 a 2017. Os resultados indicam que a infraestrutura logística tem o maior efeito na redução dos custos comerciais. Mostram, também, que os custos seriam reduzidos em até 2,9% para cada dia a menos de retenção das mercadorias nas alfândegas, enquanto reformas regulatórias que promovam a redução na percepção de corrupção podem causar reduções de até 5,4% nos custos. Outra recomendação de política seria a busca por acordos comerciais que busquem a harmonização nos procedimentos de comércio e reduzam os custos. As informações apresentadas podem auxiliar os formuladores de políticas em suas possíveis intervenções nas áreas de facilitação de comércio e estimular o debate sobre os esforços direcionados à redução dos custos do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michelle Márcia Viana Martins, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP)

Economista (2016) e Mestre em Economia (2018) pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP). Professora substituta na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), no curso de Comércio Exterior. Graduação sanduíche na Espanha na Universidad Pública de Navarra (UPNA). Atua na área da economia agrícola, comércio internacional e economia do meio ambiente.

Orlando Monteiro da Silva, Universidade Federal de Viçosa

Possui graduação em Agronomia (1976) e mestrado em Economia Rural (1979) pela Universidade Federal de Viçosa. É PhD em Economia pela North Carolina State University (1990), onde também fez um pós-doutorado (1997). Tem especialização em Integração Econômica pelo El Colégio de México, 1995. Atualmente é ProfessorTitular da Universidade Federal de Viçosa, na área de Economia Internacional do Depto de Economia, atuando como orientador nos cursos de pós-graduação em Economia Aplicada, Administração e Economia da UFV. Foi Coordenador do Curso de Ciências Econômicas, Chefe do Depto de Economia, Diretor Substituto do Centro de Ciências Humanas e Membro do Conselhos de Pesquisa e Universitário da UFV. Foi membro da Câmara de Ciências Humanas da FAPEMIG e Presidente da Fundação Arthur Bernardes. Suas publicações tem sido nas áreas de Economia, com ênfase nas Relações do Comércio; Política Comercial; Integração Econômica, atuando principalmente nos seguintes temas: economia agrícola, interdependência de mercado e competitividade.

Fernanda Aparecida Silva, Universidade Federal de Viçosa

Possui Graduação em Gestão do Agronegócio pela Universidade Federal de Viçosa (2012). Mestrado (2014) e Doutorado (2016) em Economia Aplicada pela mesma instituição. Tem experiência na área de Economia Internacional

Downloads

Publicado

2023-10-25

Como Citar

Martins, M. M. V., da Silva, O. M., & Silva, F. A. (2023). CUSTOS BILATERAIS E FACILITAÇÃO DO COMÉRCIO: : UMA ANÁLISE PARA O BRASIL. Análise Econômica, 40(82). https://doi.org/10.22456/2176-5456.97430

Edição

Seção

Artigos