A Nova Era com um Jeitinho Brasileiro: O Caso do Vale do Amanhecer

Amurabi Oliveira

Resumo


A Nova Era tem sido um fenômeno de difícil apreensão, devido mesmo a heterogeneidade de práticas e valores que ela abarca (HERVIEU-LÉGER, 2008, AMARAL, 2000, MAGNANI, 1999), incluindo aí aquelas que não são necessariamente religiosas. Amaral (1999, 2000) argumenta que a Nova Era caracteriza-se pela retirada dos mais diversos elementos de seus contextos originais, arranjando-os e rearranjando-os de forma performática. Em sua origem, encontramos a convergência de diversos discursos e práticas, em especial, uma busca pela convergência entre oriente e ocidente. Ao ganhar visibilidade no Brasil, a Nova Era ganha também contornos próprios, não apenas reproduzindo o que é produzido no contexto europeu e americano, como também articulando com elementos presentes nas religiosidades populares, em especial com o catolicismo, o espiritismo kardecista e a as religiões afro-brasileira, debate este que ainda produz opiniões divergentes em meio a especialistas. Buscamos aqui destacar a a singularidade que toma a Nova Era no Brasil, tomando o Vale do Amanhecer como um caso emblemático, em que esta articulação do discurso originário da Nova Era com a religiosidade popular brasileira se dá de forma mais clara.

Palavras-chave


Antropologia da Religião; Nova Era; Vale do Amanhecer; Sincretismo Religioso

Texto completo:

PDF () PDF () PDF () PDF () PDF ()


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8136.20341



Direitos autorais

Porto Alegre: UFRGS, IFCH, PPGAS, 1997 – Semestral - ISSN 1519-843X – ISSN 1982-8136 (eletrônico) Os conteúdos de Debates do NER estão licenciados em CC BY.