Hospital dentistry in Brazil: where are we? An analysis of the scenario of the past few years

Gabriela Elen Moreira Silva, Luciana Pereira da Rocha Thomsen, Júlio César Tanos Lacerda, Sérgio Henrique Benfenatti Botelho, Júbila Aparecida Costa Reis, Raí Douglas de Araújo Ferreira, Renata Gonçalves Resende

Abstract


Hospital Dentistry aims at the maintenance and care provided to patients under hospitalization. The dental surgeon is a professional duly trained to identify, prevent and treat changes in the oral cavity. The insertion of the DS in a hospital environment has been instituted through resolutions and laws to benefit those who need this service. Therefore, the objective of this work is to present the trajectory of OH in Brazil, to verify its current panorama and to show about the importance of this professional in the multidisciplinary team of hospitals. The searches were carried out between 2001 and 2019 in national bibliographic databases and as a complement to the hospital dentistry manual, in articles published by the National Health Surveillance Agency and in laws published in the official diaries of the municipalities, states and union. The data show that many states have already adapted, from the legal point of view, to make hospital dentistry a reality. However, inspection and professionals are still lacking in all jobs. Therefore, the last decade has been decisive in favor of hospital dentistry, but there is still a lot to be done for new advances to happen.

Keywords


Oral health; Intensive care units; Patient care team; Legislation

References


Associação Brasileira de Odontologia Hospitalar (ABRAOH). Porto Alegre; 2016.

Godoi APT, Francesco AR, Duarte A. Odontologia hospitalar no Brasil: uma visão geral. Rev Odontol Unesp. 2009;38(2):105-9.

Eduardo FP, Bezinelli LM, Orsi E, Rodrigues M, Ribeiro MS, Hamerschlak N, et al. Influência dos cuidados odontológicos acompanhados de laserterapia sobre a mucosite oral durante transplante alogênico de células hematopoiéticas: estudo retrospectivo. Einstein (São Paulo) 2011;9(2):201-6.

Morais TMN, Silva A, Avi ALRO, Souza PHR, Knobel E, Camargo LFA. A importância da atuação odontológica em pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2006;18(4):412-7.

São Paulo (Estado). Manual de odontologia hospitalar. São Paulo: Grupo Técnico de Odontologia Hospitalar; 2012.

Araújo RJG, Vinagre NL, Montoril J, Sampaio S. Avaliação sobre a participação de cirurgiões-dentistas em equipes de assistência ao paciente. Acta Sci Health Sci. 2009;31(2):153-7.

Araújo RG, de Oliveira LCG, Hanna LMO, Corrêa AM, Carvalho LHV, Álvares CF. Análise de percepções e ações de cuidados bucais. Rev Bras Ter Intensiva. 2009; 21(1):38-44.

Morais TMN. Fundamentos da odontologia em ambiente hospitalar/UTI. 1.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015.

Silva OMP, Lebrão ML. A organização do atendimento da odontologia hospitalar e da traumatologia bucomaxilo-facial no município de São Paulo. Rev Odontol UNESP. 2001;30:43-54.

Paim JS. Reforma sanitária brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. ABC do SUS: doutrinas e princípios. Brasília; 1990.

Dantas BO, Araujo IA, Araujo HBN, Araujo EC, Bezerra ACB, Miranda AF. Saúde bucal e cuidados na Unidade de Terapia Intensiva. Revista Odontol Planal Cent. 2015;5(1):28-32.

Gomes SF, Esteves MCL. Atuação do cirurgião-dentista na UTI: um novo paradigma. Rev bras odontol. 2012;69(1):67-70.

Sannapieco FA. Relação entre doença periodontal e doenças respiratórias. In: Rose LF, Genco RJ, Cohen WD, Mealy B. Medicina periodontal. São Paulo: Santos; 2002. p. 83-97.

Diretrizes brasileiras para tratamento das pneumonias adquiridas no hospital e das associadas à ventilação mecânica - 2007. J bras pneumol. 2007;33 Suppl 1:s1-30.

Souza AF, Guimaraes AC, Ferreira EF. Avaliação da implementação de novo protocolo de higiene bucal em um centro de terapia intensiva para prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica. Rev Mineira de enfermagem. 2013;17(1):177-84.

Rabelo GD, Queiroz CI, Santos PSS. Atendimento odontológico ao paciente em unidade de terapia intensiva. Arq Med Hosp Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2010;55(2):67-70.

Pereira RS, d’Ottaviano L. Saúde bucal dos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Diretrizes normas e condutas. Serviço de Odontologia do HC, Campinas. [acesso 2019 nov 19]. Disponível em: http://www.fcm.unicamp.br/diretrizes/d_n_c/Saude_%20bucal_%20pacientes_uti/ saude_bucal_pac_uti_pag_2.html.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução nº. 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de unidades de terapia intensiva e dá outras providências. Diário Oficial da União, 21 de agosto de 2006.

Brasil. Ministério da saúde. Portaria nº. 1032, de 05 de maio de 2010. Inclui procedimento odontológico na tabela de procedimentos, medicamentos, órteses e próteses e materiais especiais do Sistema Único de Saúde - SUS, para atendimento às pessoas com necessidades especiais. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de maio de 2010.

Conselho Federal de Odontologia. Resolução n° CFO-162, de 09 de novembro de 2015. Conceitua a odontologia hospitalar e define a atuação do cirurgião-dentista habilitado a exercê-la. Diário Oficial da União, 6 de novembro de 2015.

Paraná. Lei nº 18120, de 25 de junho de 2014. Torna obrigatória a prestação de assistência odontológica aos pacientes em hospitais gerais. Diário oficial do Estado- PR, 2 de julho de 2014.

Distrito Federal. Lei nº 5.744, de 9 de dezembro de 2016. Dispõe sobre o direito constitucional à saúde bucal no Sistema Único de Saúde do Distrito Federal onde haja internação de pacientes. Diário oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, 02 de julho de 2014.

São Paulo (Cidade). Lei nº 16.860, de 9 de fevereiro de 2018. Institui a Política Municipal de Proteção à Saúde Bucal da Pessoa Hospitalizada, e dá outras providências. Diário Oficial da Cidade, 10 de fevereiro de 2018, p. 3 c. 2-3.

Alagoas. Lei ordinária nº 8.009, de 18 de abril de 2018. Dispõe a obrigatoriedade da prestação de assistência odontológica a paciente em regime de internação e portadores de doenças crônicas em unidades de saúde públicas e privadas do estado de Alagoas. Diário Oficial do Estado, - AL, 19 de abril de 2018.

Mato Grosso do Sul. Lei nº 5.163, de 20 de março de 2018. Dispõe sobre a obrigatoriedade da presença de profissionais de Odontologia nas Unidades de Terapia Intensiva no Estado de Mato Grosso do Sul. Diário Oficial do Estado – MS, 20 de março de 2018, p.1.

São Luís. Lei Promulgada nº 490, de 6 de março de 2018. Dispõe sobre a obrigatoriedade da presença do Cirurgião-Dentista na equipe multiprofissional dos hospitais do Município de São Luís, e dá outras providências. Diário Oficial do Município, São Luís, 12 de junho de 2018.

Minas Gerais. Resolução CESMG nº 045, de 10 de setembro de 2018. Dispõe sobre a aprovação de recomendações referente a implantação de Serviços de Odontologia Hospitalar no Estado de Minas Gerais. Diário Oficial do Estado – MD, 19 de dezembro de 2018, p. 70.

Brasil. Projeto de Lei da Câmara n° 34, de 2013. Torna obrigatória a prestação de assistência odontológica a pacientes em regime de internação hospitalar, aos portadores de doenças crônicas e, ainda, aos atendidos em regime domiciliar na modalidade home care. [acesso 2019 nov 19]. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/materia/11297.

Puricelli E, Baeder F, Pucci I, Munaretto JC, Silveira JM. Hospitais: espaços para a atuação permanente da odontologia. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2017;71(1):14-20.




DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.99716

Licença Creative Commons

e-ISSN 2177-0018 / ISSN 0566-1854.

descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da fotodescrição da foto