Oral health surveillance from the perspective of geo-referencing: analysis of dental caries distribution in schoolchildren of a primary health unit

Vanessa Pacheco Calino, Gabriela Moraes Machado, Flávio Renato Reis de Moura, Myrian Camara Brew, Caren Serra Bavaresco

Abstract


Objective: The study aimed to perform a georeferenced mapping of school users of a health unit in Porto Alegre in relation to dental caries. Materials and methods: This study was carried out in a health unit of the Hospitalar Conceição Group. The school consisted of 103 students, aged 6 to 17, from 2 elementary schools. Data on the accessibility of restorative treatment linked to the disease were included in the medical records of patients registered with Coinma and compared by the health team through the PES in 2016 and 2017, totaling 103 records. For the georeferencing, the Google Maps® online tool was used, where red markers were added for students who needed treatment and green for students with no need of treatment. Results: Of the study population, 30% had some need of treatment. The boys had more needs when compared to the girls, with emphasis on the group aged between 8-9 years. Concerning to the geo-visual analysis, it was possible to identify an increase in the concentration of students with oral health intervention needs in the PINK area, where 53 (51.4%) students lived, and 19 (35.84%) needed treatment. Besides, in the BLUE areas, out of 25 (24.3%) of students, 5 (20%) showed needs; In the YELLOW area, out of 14 (13.6%) students evaluated, 2 (14%) showed treatment needs; In the GREEN area, out of 11 (10.7) students evaluated, 5 (45.5%) presented a need for treatment. Conclusion: Georeferencing is an important tool for the analysis of the spatial distribution of dental caries. The present study may contribute to the elaboration of health policies focused on local health surveillance.

Keywords


Dental caries; Public health; Geographic mapping

References


Paraná. Secretaria da Saúde. Superintendência de Vigilância em Saúde. Apresentação a vigilância da saúde. Paraná; 2013.

Waldman E. Vigilância em saúde pública. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública de São Paulo; 1998. (Série Saúde e Cidadania).

Brasil. Lei nº 6.259, de 30 de outubro de 1975. Dispõe sobre a organização das ações de vigilância epidemiológica, sobre o Programa Nacional de Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória de doenças, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 julho 1975, art. 2.

Paim JS, Almeida Filho N. A crise da saúde pública e autopiada saúde coletiva. Salvador: Casa da Qualidade; 2000.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Ritter F, Rosa RDS, Flores R. Avaliação da situação de saúde por profissionais da atenção primária em saúde com base no georreferencimento dos sistemas de informação. Cad Saúde Pública. 2013;29(12):2523-34.

Barcellos C, Ramalho WM, Gracie R, Magalhães MAFM, Fontes MP, Skaba D. Georreferenciamento de dados de saúde na escala submunicipal: algumas experiências no Brasil. Epidemiol Serv Saúde 2008;17(1):59-70.

Monken M, Barcellos C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad Saúde Pública 2005;21(3):898-906.

Barcellos C, Ramalho W. Situação atual do geoprocessamento e da análise de dados espaciais em saúde no Brasil. IP: Informática Pública. 2002;4(2):221-30.

Moreira RS, Nico LS, Tomita NE. O risco espacial e fatores associados ao edentulismo em idosos em município do Sudeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(10):2041-54.

Moreira RS, Nico LS, Tomita NE. A relação entre o espaço e a saúde bucal coletiva: por uma epidemiologia georreferenciada. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(1):275-84.

Oliveira LB, Moreira RS, Reis SCGB, Freire MCM. Cárie dentária em escolares de 12 anos: análise multinível dos fatores individuais e do ambiente escolar em Goiânia. Rev bras epidemiol. 2015;18(3):642-54.

Barbosa PRN, Nascimento RL. Prevalência de cárie dentária em escolares de 12 anos de uma escola pública do município do Rio de Janeiro. Academus Revista Científica da Saúde. 2017;2(1):266-77.

Giacomin A. Prevalência da cárie dental e das consequências da cárie não tratada e o impacto na qualidade de vida de escolares [dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina, Faculdade de Odontologia; 2016.

Barcellos C, Bastos FI. Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível? CadSaúdePública 1996;12(3):389-97.

Melo MMDC, Souza WV, Lima MLC de, Braga C. Fatores associados à cárie dentária empré-escolares do Recife, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(3):471-85.

Rozenfeld S, organizadora. Fundamentos da vigilância sanitária. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2000. [acesso 2020 abr 24]. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/d63fk/pdf/rozenfeld-9788575413258.pdf.

Baldani MH, Narvai PC, Antunes JLF. Cárie dentária e condiçõessócio-econômicas no estado do Paraná, Brasil, 1996. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):755-63.

Moreira RS, Nico LS, Tomita NE. O risco espacial e fatores associados ao edentulismo em idosos em município do Sudeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(10):2041-54.




DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.94399

Licença Creative Commons

e-ISSN 2177-0018 / ISSN 0566-1854.

descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da foto descrição da fotodescrição da foto