Análise comparativa da resistência à fratura de pré-molares com restaurações de resina composta direta e indireta

Renata dos Santos Teixeira, Carlos Braga, Celso Afonso Klein-Jr, Fabio Herrmann Coelho-de-Souza

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência à fratura de dentes restaurados com resina composta de alta viscosidade (Filtek P60 – 3M/ESPE) e resina composta indireta (BelleGlass - sds/Kerr) em preparos MOD. Trinta e dois pré-molares superiores foram divididos em 4 grupos, sendo: grupo 1 - dentes hígidos; grupo 2 - dentes com preparos MOD restaurados com resina composta P60; grupo 3 - dentes restaurados com BelleGlass; e grupo 4 - dentes apenas preparados (MOD). Todos os corpos de prova foram submetidos ao teste de resistência à fratura em máquina de ensaio universal com velocidade de 0,5 mm/min. Os resultados foram analisados estatisticamente através dos testes ANOVA e Tukey, com um nível de significância de 1%, que mostraram diferenças significativas entre todos os grupos, sendo o grupo 1 (dentes hígidos) mais resistente à fratura do que o grupo 2 (P60), o qual foi mais resistente que o grupo 3 (BelleGlass), que por sua vez apresentou maior resistência do que o grupo 4 (apenas preparados). Concluiu-se que o preparo cavitário reduziu a resistência à fratura de forma significativa e que as restaurações adesivas restituíram parcialmente a resistência perdida, sendo a performance da resina composta P60 superior à Belleglass.

Palavras-chave


Resinas compostas; Restaurações indiretas; Força compressiva

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.9240