Aleitamento materno, introdução alimentar, hábitos orais e má oclusão em crianças de três a cinco anos

Mônica Carminatti, Renata Franzon, Fernando Borba de Araújo, Erissandra Gomes

Resumo


Objetivo: descrever o tipo de aleitamento materno, a idade em que ocorreu a introdução alimentar, as características da instalação dos hábitos orais e a ocorrência das más oclusões em crianças de três a cinco anos. Materiais e métodos: estudo transversal realizado com 93 crianças por meio da aplicação de questionário aos responsáveis acerca do aleitamento materno, introdução alimentar e hábitos orais. Foi realizado exame clínico odontológico para avaliação da oclusão dentária. O nível de significância utilizado foi de 5%. Resultados: 93,5% das crianças foram amamentados no seio materno, destas, 6,4% foram amamentadas exclusivamente por mais de 6 meses. A mediana de idade da introdução da água e chá foi de cinco meses. O uso da mamadeira foi observado em 86% das crianças e a utilização da chupeta em 49,5%. A associação entre o tempo de aleitamento materno exclusivo e a presença de hábitos orais foi significativa (p=0,035). Crianças com o hábito de ficar com a boca aberta durante a noite apresentaram maior frequência do hábito de onicofagia (p=0,043). As más oclusões estavam presentes em 46,2% das crianças e, destas, 22,6% apresentaram mordida aberta anterior. Foi observada a associação entre alterações oclusais e o hábito de ficar com a boca aberta durante a noite (p=0,034). Conclusão: O aleitamento materno exclusivo foi fator de proteção para a instalação dos hábitos orais na amostra avaliada. A introdução dos alimentos ocorreu precocemente. Dentre os hábitos orais, o hábito de ficar com a boca aberta durante a noite indicou associação com as alterações oclusais.

Palavras-chave


Aleitamento Materno; Prática alimentar infantil; Hábitos; Má Oclusão; Criança

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.88034