Manifestações bucais na infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana: uma revisão sistemática da literatura.

Solange Moreira Silva, Alexandre Lustosa Pereira, Marco Túlio García-Zapata

Resumo


O propósito deste estudo foi o de realizar uma Revisão Sistemática da Literatura por meio de descritores DECs (BVS) e Mesh Terms (PubMed) em bases de dados específicas (Scielo, Scopus, Lilacs, PubMed e CAPES) para investigar a prevalência e o significado das manifestações bucais na infecção pelo HIV na visão de diferentes autores. Foram identificados 337 artigos científicos que utilizaram padrões de avaliação similares em indivíduos infectados pelo HIV a partir de 18 anos de idade. Após a aplicação dos Testes de Relevância I e II resultaram 20 artigos científicos (5,93%). Foram excluídos artigos de revisão, relatos de caso, atualizações e anais de congressos. Concluiu-se que: a) a prevalência destas lesões variou entre 19.5,% a 85% em diferentes regiões do mundo; b) As lesões mais frequentes foram de origem fúngica, principalmente a candidose em suas diferentes formas. Em segundo lugar esteve a Leucoplasia Pilosa Bucal, lesão de origem viral; c) neoplasias da cavidade oral apresentaram baixas prevalências; d) podem ser os primeiros sinais da infecção pelo HIV; e) a Candidose Bucal está associada à depleção de linfócitos TCD4 e ao aumento da carga viral e pode ser considerado um marcador para imunodepressão e AIDS e para a falha terapêutica em pacientes HIV+ sob o uso de Antirretrovirais; f) são úteis para monitorar a progressão da doença em países com poucos recursos financeiros.

Palavras-chave


Manifestações bucais; Doenças da boca; Infecções oportunistas relacionadas à AIDS.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.30650