Prevalência de fluorose dentária em adolescentes de escolas municipais da área urbana do município de Pelotas/RS, 2010

Andressa Raquel Spohr, Aryane Marques Menegaz, Morgana Favetti, Renata Zolin Flores, Tamara Horn, Tuane Benetti, Tania Izabel Bighetti

Resumo


Objetivo: Conhecer prevalência e severidade da fluorose dentária em adolescentes de 12 anos de idade de escolas municipais de Pelotas/RS em 2010.
Métodos: Realizou-se estudo transversal descritivo, utilizando-se recomendações da Organização Mundial da Saúde, por seis examinadoras treinadas. Selecionou-se amostra aleatória sistemática de alunos das 39 escolas municipais da área urbana. O dente parâmetro para classificação da fluorose foi registrado e, de forma exploratória, foram identificadas exposições a produtos com flúor: tipo de água e quantidade de dentifrício.
Resultados: Foram examinados adolescentes de 32 (86,5%) das 37 escolas que tiveram alunos sorteados, perfazendo o número de 228 (91,2% do total). Não foram observados casos de fluorose moderada ou severa e apenas 2 casos de fluorose leve. As condições que mais prevaleceram foram fluorose questionável (68,4%) e muito leve (21%); sendo os pré-molares superiores os mais afetados, com 122 observações (59,2%). O tipo de água relatada pelos escolares como mais consumida foi a de abastecimento público (75,5%); e a quantidade de dentifrício mais utilizada foi a estimada em 0,75 g ou mais (86%). Não se observou associação estatística entre presença de fluorose dentária e uso de dentifrício em quantidade acima do recomendado.
Conclusão: Verificou-se alta prevalência e baixa severidade de fluorose dentária; situação esperada onde teores de flúor na água de abastecimento público estão dentro dos recomendados, como é o caso de Pelotas. A maior parte dos escolares relatou usar quantidade de dentifrício acima do indicado. Sua contribuição na prevalência de fluorose dentária deve ser investigada por meio de outros delineamentos.

Palavras-chave


Levantamentos epidemiológicos. Fluorose dentária. Dentifrícios. Fluoretação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.25266