Análise comparativa da infiltração apical entre diferentes materiais retro-obturadores

George Táccio de Miranda Candeiro, Janaína de Oliveira Braga, Marco Antônio Húngaro Duarte, Ilan Sampaio do Vale

Resumo


Foram distribuídos 44 incisivos centrais superiores extraídos em quatro grupos experimentais (I, II, III e IV) com 10 espécimes cada e dois grupos controles com 2 espécimes cada. Os dentes tiveram as coroas seccionadas e suas raízes foram instrumentadas pela técnica escalonada até o instrumento #60, com irrigação constante de hipoclorito de sódio 2,5%. As raízes foram obturadas com cones de guta-percha e cimento endodôntico EndoFill, pela técnica híbrida de Tagger. As raízes foram apicetomizadas com angulação de 90º, e, após impermeabilização, foram realizados os retro-preparos ultra-sônicos com 3 mm de profundidade, seguindo o longo-eixo radicular. As cavidades retrógradas foram retro-obturadas com MTA branco, MTA cinza, Super EBA e Sealapex + AH Plus, nos grupos I, II, III e IV, respectivamente. No grupo V, não foi realizado nenhuma retro-obturação e os espécimes do grupo VI foram completamente impermeabilizados. As raízes foram imersas no corante Rodamina B e mantidas numa estufa por 48 horas, à temperatura de 37ºC. Após este período, as raízes foram lavadas em água corrente por 24 horas, realizando-se, então, o desgaste longitudinal da porção apical radicular no sentido vestíbulo-palatino, a fim de serem analisadas as infiltrações com o auxílio do programa Image Tool. Após análise estatística pelo teste Kruskal-Wallis, e comparações pelo método de Dunn, verificou-se que o grupo selado com o Super EBA exibiu menores infiltrações apicais do que os demais grupos experimentais, apresentando diferença significante (p<0,05) apenas em relação ao MTA branco e o MTA cinza.

Palavras-chave


Endodontia; Materiais odontológicos; Infiltração dentária.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2177-0018.11886