A política externa do governo Michel Temer (2016-2018): mudanças para a legitimidade? Um teste da teoria de Charles Hermann

Álvaro Vicente Costa Silva

Resumo


No campo da Análise da Política Externa (APE), um dos principais objetivos de pesquisadores é conseguir tipificar e explicar quando e como podem ocorrer inflexões em política externa. Um dos principais trabalhos dentro do campo voltados a esse objetivo é o de Charles Hermann, Changing Course: when governments choose to redirect foreign policy, de 1990. Este artigo propõe um teste do potencial analítico da teoria de Hermann para a análise de mudanças em política exterior. Para isso, testaremos a teoria com uma análise das diferenças entre as políticas externas de Dilma Rousseff (2011-2016) e Michel Temer (2016-2018), bem como dos principais fatores determinantes para as alterações de curso adotadas pelo governo Temer. Para alcançarmos nosso objetivo, utilizaremos discursos, notas diplomáticas, artigos em jornais, e fontes bibliográficas para basear nossa análise. Nosso trabalho indica que a teoria de Hermann é capaz de explicar a existência de mudanças no comportamento externo dos dois governos, bem como as principais causas dessas inflexões.


Palavras-chave


Dilma Rousseff; Michel Temer; Análise de Política Externa

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.86954

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS