Transcriações na contemporaneidade e a poética da falsidade

Caroline Becker

Resumo


Este artigo, partindo do conceito de transcriação, proposto por Haroldo de Campos no livro Metalinguagem: ensaios de teoria e crítica literária (1976), pretende analisar a minissérie Capitu (2008) – adaptação do romance Dom Casmurro (1899), de Machado de Assis – e o filme Anna Karenina (2012) – adaptação do romance de mesmo título escrito por Liev Tolstói, publicado no século XIX, entre 1873 e 1877. Diante das duas obras, nós, espectadores, percebemos certa convergente poética: a estética da falsidade. Em ambas as transcriações, o espaço da ação é o teatro e assistimos à vida das personagens, como num jogo social. Além disso, o palco é composto – montado e desmontado – por meio da intervenção das personagens, explicitando, dessa forma, a composição narrativa e artística. Diante dessa estética, percebemos uma nova possibilidade de representação, cujo resultado apropria-se da teatralização e apresenta uma tendência à estética da falsidade – elementos a serem estudos neste trabalho.


Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com