A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO HISTÓRICA NA PERSPECTIVA DA PRÁXIS – UM ESTUDO REALIZADO NO IFPR CAMPUS CURITIBA

THIAGO AUGUSTO DIVARDIM DE OLIVEIRA, Maria Auxiliadora Moreira dos Santos Schmidt

Resumo


Se nas discussões do historicismo apropriadas e sistematizadas por Jörn Rüsen, a História surge de um movimento de compreensão que se inicia nas demandas da consciência histórica no presente, (tarefa que possui lógica e padrões científicos próprios), é possível propor a pergunta: qual seria a práxis perene da incorporação dessas discussões nas relações de ensino e aprendizagem na escola? A proposta é que, a partir de uma compreensão do professor historiador como intelectual, e das discussões apresentadas por Rüsen sobre a dialética entre hermenêutica e analítica no trabalho dos historiadores (2007), tornou-se possível defender que o trabalho dos professores de história, para atender as demandas do pensamento histórico na escola, poderá ter uma lógica própria referente à matriz disciplinar da História (RÜSEN, 2009) relacionado ao trabalho de resposta às carências de orientação das consciências e da cultura histórica. O artigo trata de um estudo empírico realizado no primeiro semestre de 2013 no Instituto Federal do Paraná (Campus Curitiba) em que se discute teoricamente um trabalho práxico que envolveu perspectiva heurística, analítica e interpretativa das protonarrativas (RÜSEN, 2001 – 2012) de alunas do primeiro ano de um curso técnico integrado ao ensino médio e um posterior trabalho de intervenção dirigido as consciências históricas de maneira especificamente motivada.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Arthur Alfaix. A didática da história de J. G. Droysen: constituição e atualidade. Revista Tempo | 2014 v20 | Artigo.

AZAMBUJA, Luciano. JOVENS ALUNOS E APRENDIZAGEM HISTÓRICA: PERSPECTIVAS A PARTIR DA CANÇÃO POPULAR. Tese de doutorado, PPGE-UFPR, 2013.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

DROYSEN, Jodann Gustav. Historik: Vorlesungen über Enzyklopädie und Methodologie der Geschichte. (org. Peter Leyh). Stuttgart: Fromann-Holzboog, 1977 [em português: Manual de Teoria da História. Petrópolis: Vozes, 2009 [original: 1881- 1883]

FREIRE, Paulo. AÇÃO CULTURAL PARA LIBERDADE E OUTROS ESCRITOS. São Paulo : Paz e Terra, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo : Paz e terra, 1996

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1997

GONZÁLES, María Isabel Jiménez. LA PRÁTICA EDUCATIVA ESCOLAR COMO PROCESO DE TRABAJO INTELECTUAL. Revista Mexicana de Sociologia. Año XLVI Vol.XLVI. Nº 1 enero-marzo de 1984

LEE, P. J. “Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé”: compreensão das pessoas do passado. In: BARCA, I. (Org.) Educação histórica e museus. Actas das Segundas Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Lusografe, 2003. p.19-36.

LOPES, A.R.C. Conhecimento escolar: processos de seleção cultural e mediação didática. IN: Educação & Realidade. 22(1):95-112. jan-jun. 1997.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2006. 366p.

MARX, Karl & ENGELS, Fridrich. A IDEOLOGIA ALEMÃ. 1845-1846. São Paulo: Boitempo, 2007.

KOSÍK, K. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. 1845-46. [São Paulo]: Boitempo, 2007

MARX, Karl. Prefácio de Para a crítica da economia política. In: ________. Manuscritos econômicos filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo, Abril Cultural, p.133-138. (Os Pensadores), 1974b.

OLIVEIRA, Thiago Augusto Divardim de. A RELAÇÃO ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁXIS: A EDUCAÇÃO HISTÓRICA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Dissertação de Mestrado. Curitiba, 2012.

RÜSEN, Jörn (a). Razão histórica – Teoria da História: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UNB, 2001.

___________ (b). Reconstrução do passado. Teoria da História II: os princípios da pesquisa histórica. Editora da Universidade de Brasília, 2007. pág. 91 – 100.

___________ (c). História viva Teoria da História III: formas e funções do conhecimento histórico / Jörn Rüsen ; tradução de Estevão de Rezende Martins. - Brasília : Editora Universidade de Brasília, 2007.

___________ (d). "¿Qué es la cultura histórica?: Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia". Culturahistórica. [Versión castellana inédita del texto original alemán en K. Füssmann, H.T. Grütter y J. Rüsen, eds. (1994). Historische Faszination. Geschichtskultur heute. Keulen, Weimar y Wenen: Böhlau, pp. 3-26].

___________ (e). APRENDIZAGEM HISTÓRICA: FUNDAMENTOS E PARADIGMAS. Curitiba: W.A. Editores, 2012.

___________.(f) (2014). Cultura faz sentido. Orientações entre o hoje e o amanhã. Petrópolis: Vozes.

___________.(g) (2015) TEORIA DA HISTÓRIA : Uma teoria da História como Ciência / Rüsen, Jörn;tradução: Estevão C. de Rezende Martins. –Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é esta?. In: SCHMIDT, M. Auxiliadora/ BARCA, Isabel. (Org.). Aprender História: Perspectivas da Educação Histórica. 1a ed. Ijuí: Unijuí, 2009, v. 1, p. 21-51.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. A CULTURA COMO REFERÊNCIA PARA INVESTIGAÇÃO SOBRE CONSCIÊNCIA HISTÓRICA: DIÁLOGOS ENTRE PAULO FREIRE E JÖRN RÜSEN. Atas das XI Jornadas Internacionais de Educação Histórica Realizadas de 15 a 18 de Julho de 2011, Instituto de Educação da Universidade do Minho / Museu D. Diogo de Sousa, Braga.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Consciência histórica e crítica em aulas de história./ Maria auxiliadora Moreira dos Santos Schmidt e Tânia Maria F. Braga Garcia. - Fortaleza: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará/ Museu do Ceará, 2006.

SCHMIDT, M. A. M. S; GARCIA, Tânia Braga; BARCA, Isabel. Significados do pensamento de Jörn Rüsen para investigações na área da educação histórica. In: Jörn Rüsen e o ensino de história / organizadores: Maria Auxiliadora Schmidt, Isabel Barca, Estevão de Rezende Martins – Curitiba: Ed. UFPR, 2010


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973