Brincando com Coisa Séria: O Jogo na Aula de História

Rogério Sávio Link

Resumo


Este artigo tem como objetivo refletir, através de uma análise conceitual e prática, sobre a atividade do jogo na sala de aula de história. O que proponho aqui é não tanto uma justificação teórica sobre o uso do jogo em sala de aula, mas sim a descrição de um jogo de tabuleiro sobre a escravidão que tenho desenvolvido nos últimos anos e a análise ou problematização das questões sociais implicadas. O problema, portanto, gira em torno de como abordar o tema da escravidão a partir de uma atividade lúdica. Ao tratarmos deste tema a partir de um jogo não estaríamos justamente banalizando a questão? Como os estudantes identificados pela sua ancestralidade com a escravidão reagiriam? Como seus colegas se comportariam? Para tentar responder essas questões, tomo como momento prático de análise duas utilizações que fiz do jogo em sala de aula.

Palavras-chave


jogo, brincadeira, escravidão, dominação, resistência

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Marcos Ferreira de. Rebelião escrava na Comarca do Rio das Mortes, Minas Gerais: o caso Carrancas. Afro-Ásia. n. 21-22, p. 45-82, 1998-1999.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COSTA, Emilia Viotti da. Da monarquia a República: momentos decisivos. São Paulo: UNESP, 1999. p. 343-384.

FLORENTINO, Manolo; GOES, José Roberto. A paz nas senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c. 1790 – c. 1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997. p. 25-37.

FORTUNA, Tânia Ramos. Brincar e aprender. In: PEREIRA, Nilton Mullet; GIACOMONI, Marcello Paniz (Orgs.). Jogos e Ensino de História. Porto Alegre: Evangraf, 2013. p. 63-97.

FORTUNA, Tânia Ramos. Vida e morte do brincar. In: ÁVILA, I. S. (Org.) Escola e sala de aula: mitos e ritos. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 47-59.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 17ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 42ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.

IZECKSOHN, Vitor. A Guerra do Paraguai. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (Orgs.). O Brasil imperial. vol. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 385-424.

LARROSA BONDÍA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Nº 19, p. 20-28, 2002.

MEINERZ, Carla Beatriz. Jogar coma História na sala de aula. In: PEREIRA, Nilton Mullet; GIACOMONI, de Marcello Paniz (Orgs.). Jogos e Ensino de História. Porto Alegre: Evangraf, 2013. p. 99-116.

NEVES, Lúcia M. Bastos P. Estado e política na independência. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (Orgs.). O Brasil imperial. vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 95-136.

PEREIRA, Nilton Mullet; GIACOMONI, de Marcello Paniz. Flertando com o Caos: os jogos no Ensino de História. In: _____ (Orgs.). Jogos e Ensino de História. Porto Alegre: Evangraf, 2013. p. 9-23.

REIS, João José. Rebelião Escrava no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia. das Letras, 1989. p. 62-78.

RODRIGUES, Jaime. O infame comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: UNICAMP, 2000. p. 97-125.

SEFFNER, Fernando. Aprender e ensinar história: como jogar com isso? In: PEREIRA, Nilton Mullet; GIACOMONI, de Marcello Paniz (Orgs.). Jogos e Ensino de História. Porto Alegre: Evangraf, 2013. p. 25-45.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Lhiste – Laboratório de Ensino de História e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre

ISSN 2359-5973