O caráter fenomênico do discurso retórico: o papel do ceticismo pirrônico no direito frente às recentes teorias da argumentação jurídica

Pedro Parini

Resumo


 

RESUMO

Este artigo tem como objetivo fazer um exame crítico de alguns aspectos das teorias contemporâneas da argumentação desde uma perspectiva retórica da filosofia. São criticados tanto o caráter apriorístico quanto o viés procedimentalista dessas teorias a partir dos conceitos-chave para a filosofia cética. A conclusão é de que uma teoria retórica, em virtude de sua adaptatividade às mais diferentes situações e contextos discursivos, leva ao ceticismo diante das regras e dos procedimentos aparentemente impostos como cânones para a argumentação racional. 

 

PALAVRAS-CHAVE

Argumentação jurídica. Retórica. Ceticismo.

ABSTRACT

This article aims to critically examine some aspects of contemporary argumentation theories from a rhetorical perspective of philosophy. Both the aprioristic and proceduralist bias of these theories are criticized from the key concepts for skeptical philosophy. The conclusion is that a rhetorical theory, by virtue of its adaptability to the most different situations and discursive contexts, leads to skepticism in the face of the rules and procedures apparently imposed as canons for rational argumentation.

KEYWORDS

Legal argumentation. Rhetoric. Skepticism.

 


Palavras-chave


Filosofia do Direito; Direito Público; Retórica; Ceticismo; Argumentação jurídica

Texto completo:

Versão Virtual (3-24)

Referências


ADEODATO, João Maurício. Ética e Retórica. Para uma teoria da dogmática jurídica. São Paulo: Saraiva, 2006.

ALEXY, Robert. Problemas da teoria do discurso. Trad. João Maurício Adeodato. Anuário Dos Cursos de Pós-Graduação em Direito, Recife: Universitária, n. 5, p. 87-105, 1992.

_____. Teoría de la argumentación jurídica. La teoría del discurso racional como teoría de la fundamentación jurídica. Trad. Manuel Atienza e Isabel Espejo. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1997.

ARISTÓTELES. Retorica. Trad. Marco Dorati. Milano: Mondadori, 1996.

_____. Retórica. Trad. Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1998.

_____. Retórica. Trad. Quintín Rancionero. Madrid: Gredos, 1999.

ATIENZA, Manuel. As razões do direito. Teorias da argumentação jurídica. Trad. Maria Cristina Guimarães Cupertino. São Paulo: Landy, 2000.

BARILLI, Renato. Retórica. Trad. Graça Marinho Dias. Lisboa: Presença, 1985.

BARTHES, Roland. La retorica antica. Alle origini del linguaggio letterario e delle tecniche di comunicazione. Milano: Bompiani, 2000.

CATTANI, Adelino. Forme dell’argomentare. Il ragionamento tra logica e retorica. Padova: Edizioni GB, 1994.

CÍCERO. El orador. Trad. Sánchez Salor. Madrid: Alianza Editorial, 2001.

DA MAIA, Alexandre. O embasamento epistemológico como legitimação do conhecimento e da formação da lei na modernidade. Uma leitura a partir de Descartes. Revista do Instituto de Hermenêutica Jurídica, Porto Alegre: Instituto de Hermenêutica Jurídica, v. 1, n. 4, p. 13-37, 2006.

DESCARTES, René. Discurso do método. Para bem dirigir a própria razão e buscar a verdade nas ciências. Trad. Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2004.

EMPIRICUS, Sextus. Outlines of pyrrhonism. Trad. R. G. Bury. New York: Prometeus Books, 1990.

FERRAZ Jr., Tercio Sampaio. Direito, retórica e comunicação. Subsídios para uma pragmática do discurso jurídico. São Paulo: Saraiva, 1997.

GIANFORMAGGIO, Letizia. La noción de procedimiento en la teoría de la argumentación jurídica. Trad. Juan Luiz Manero. Doxa, Alicante: Universidade de Alicante, n. 14, p. 159-167, 2002.

GRÁCIO, Rui Alexandre. Racionalidade argumentativa. Coimbra: Asa, 1993.

HABERMAS, Jürgen. Theorie der Gesellschaft oder Sozialtechnologie? In: HABERMAS, Jürgen; LUHMANN, Niklas. Theorie der Gesellschaft oder Sozialtechnologie? Frankfurt a. M.: Suhrkamp, 1971.

KELSEN, Hans. A Ilusão da Justiça. Trad. Sérgio Tellaroli. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

KOSKENNIEMI, Martti. Between empire and legal formalism. Palestra proferida na Conferência A Constituição da Sociedade Moderna: entre Centro e Periferia, em 18 de maio de 2003.

LESSA, Renato. Veneno pirrônico. Ensaios sobre o ceticismo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1997.

LUHMANN, Niklas. Legal argumentation. An analysis of its form. The Modern Law Review, Oxford/Cambridge: BlackwelL, v. 58, n. 3, p. 285-298, mai. 1995.

_____; DE GIORGI, Raffaele. Teoria della società. Milano: Franco Angeli, 1995.

MEYER, Michel. La retorica. Trad. Berta Maria-Pia Smiths Jacob. Bologna: Il Mulino, 1997.

PEREIRA, Porchat Oswaldo. Cepticismo e argumentação. In: CARRILHO, Manuel Maria (org). Retórica e Comunicação. Trad. Fernando Martinho. Porto: Edições Asa, 1994. p. 123-164.

PERELMAN, Chaïm; TYTECA, L. Olbrechts. Tratado da argumentação. A nova retórica. Trad. Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

SANTOS, Leonel Ribeiro dos. Linguagem, retórica e filosofia no renascimento. Lisboa: Colibri, 2004.

TOULMIN, Stephen. Racionalidade e razoabilidade. In: CARRILHO, Manuel Maria (org). Retórica e Comunicação. Trad. Fernando Martinho. Porto: Edições Asa, 1994. p. 19-30.

VILANOVA, Lourival. Lógica jurídica. São Paulo: Bushatsky, 1976.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.88947

Apontamentos

  • Não há apontamentos.