A construção de novos saberes no âmbito da Lei Maria da Penha: uma análise crítica do discurso jurídico na dialética de Norman Fairclough

Artenira da Silva e Silva Sauaia, Regina Lúcia Gonçalves Tavares

Resumo


A construção de novos saberes no âmbito da Lei Maria da Penha: uma análise crítica do discurso jurídico na dialética de Norman Fairclough

The construction of new knowledges in the framework of the Maria da Penha Act: a critical analysis of legal discourse in the dialectical logic of Norman Fairclough

 

Artenira da Silva e Silva Sauaia[1]

Regina Lúcia Gonçalves Tavares[2]

 

RESUMO: O estudo dedica-se a analise constitucional dos preceitos das ações afirmativas que envolvem a educação inclusiva do autista. Dá-se ênfase à necessidade do aluno autista em ter um monitor em sala de aula e consequências jurídicas decorrentes, diante das necessidades educacionais especiais. O trabalho explora o aspecto multidisciplinar do conceito e das particularidades do autismo a fim de delimitar os aspectos constitucionais do tema e a atuação do operador do direito em face das ações afirmativas. A partir desses conceitos, interpreta-se a legislação infraconstitucional e sua aplicação perante as instituições de ensino público e privado. Por fim, enfrenta-se o debate perante o Supremo Tribunal Federal a respeito da educação inclusiva nas escolas privadas.

 

PALAVRAS-CHAVE: Lei Maria da Penha. Análise Crítica do Discurso. Práticas discursivas. Reconstrução da afetividade.

 

ABSTRACT: This paper aims to present a critical discourse analysis, textually oriented, according to the theoretical and methodological approach of Norman Fairclough. The purpose here is to analyze, based on a judicial decision rendered by the Specialized Court for Domestic and Familiar Violence Against Woman, from São Luís, Maranhão, the discursive practice adopted by the Judicial Power, investigating its capacity to construct new measures regarding the treatment of the phenomenon of violence against women and the handling of the Maria da Penha Act, directing it towards affective reconstruction through accountability.

 

KEYWORDS: Maria da Penha Act. Critical Discourse Analysis. Discursive practices. Affective Reconstruction.


[1] Professora da Universidade Federal do Maranhão – UFMA. Pós-doutora em Psicologia e Educação (Universidade do Porto, Portugal, 2014). Doutora em Saúde Coletiva (Universidade Federal da Bahia – UFBA, 2005). Mestre em Saúde e Ambiente (Universidade Federal do Maranhão – UFMA, 2000). Graduada em Psicologia (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP, 1990).

[2] Professora da Universidade Ceuma – UNICEUMA. Mestranda em Direito e Instituições do Sistema de Justiça pela Universidade Federal do Maranhão. Possui duas especializações em Direito Processual Civil pela Universidade Ceuma – UNICEUMA, 2004; Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2002. Graduada em Direito pela Universidade Ceuma – UNICEUMA, 1999.


Palavras-chave


Lei Maria da Penha; Análise Crítica do Discurso; Reconstrução da Afetividade; Direitos Humanos; Direito Constitucional; Direito de Família

Texto completo:

Versão Virtual (116-136)

Referências


BEIRAS, Adriano et al. Políticas e leis sobre violência de gênero: reflexões críticas. Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 1, p. 36-45, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 2009.

______. Lei Maria da Penha. Lei nº 11.340, de 7 de Agosto de 2006. Brasília: Senado, 2012.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

CALDAS COSTA, Aline de; CONCEIÇÃO FONSECA-SILVA, Maria da. Considerações iniciais sobre o controle dos discursos: breve leitura de “A ordem do discurso”, de Michel Foucault. Revista Espaço Acadêmico, v. 14, n. 161, p. 49-56, 2014. Disponível em . Acesso em: 14 ago. 2016.

CAMPOS, Carmen Hein de. Razão e Sensibilidade: Teoria Feminista do Direito e Lei Maria da Penha. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2016.

COMARCA DE SÃO LUÍS DO MARANHÃO. Vara Especial de Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. Processo nº 200-26.2015.8.10.001. São Luís, 4 de março de 2016.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança Social. Brasília: Editora UnB, 2001.

______. Critical Discourse Analyses: the critical studies of language. New York: Longman Publishing, 1995.

______; MELO, Iran Ferreira de. Análise crítica do discurso como método em pesquisa social científica. Linha d’Água, v. 25, n. 2, p. 307-329, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

FONSECA, Antonio Cezar Lima da. Algumas anotações sobre competência na Lei Maria Da Penha. Revista do Ministério Público do RS, Porto Alegre, n. 73, jan./abr. 2013, p. 35-49. Disponível em: <2013.http://www.amprs.org.br/arquivos/revista_artigo/arquivo_1383849060.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2016.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Ed. Loyola, 2014.

______. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014b.

______. Microfísica do poder. Tradução Roberto Machado. 16. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

GOMES, Nadielene Pereira et al. Compreendendo a violência doméstica a partir das categorias gênero e geração. Acta Paul Enferm, v. 20, n. 4, p. 504-508, 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2016.

GUIMARÃES, Eduardo. Espaço de Enunciação, Cena Enunciativa, Designação. Fragmentum, n. 40, p. 49-68, 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2016.

RAMALHO, VIVIANE C. VIEIRA SEBBA. Constituição da Análise de Discurso Crítica: um percurso teórico-metodológico. Signótica, v. 17, n. 2, 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

MACHADO, Isadora Vier. Da dor no corpo à dor na alma: uma leitura do conceito de violência psicológica da Lei Maria da Penha. 2013. 278 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas)–Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

MANITA, Celina; MACHADO, Carla. A Psicologia Forense em Portugal: novos rumos na consolidação da relação com o sistema de justiça. Análise Psicológica, v. 30, n. 1-2, p. 15-32, 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2016.

PASINATO. Wânia. Lei Maria da Penha: novas abordagens sobre velhas propostas: onde avançamos? Civitas, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p. 216-232, mai./ago. 2010. Disponível em . Acesso em: 06 dez. 2015.

POUGY, Lilia Guimarães. Desafios políticos em tempos de Lei Maria da Penha. Rev. Katál. Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 76-85, jan./jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2016.

RAMALHO, Viviane C. Vieira Sebba. Constituição da Análise de Discurso Crítica: um percurso teórico-metodológico. Signótica, v. 17, n. 2, 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2016.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma Revolução Democrática da Justiça. São Paulo: Cortez, 2007.

SCIAMMARELLA, Ana Paula de Oliveira; FRAGALE FILHO, Roberto. (Des)constituindo gênero no poder judiciário. Ex aequo [online], [S.l.], n. 31, p. 45-60, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2016.

WODAK, Ruth. Do que trata a ACD – um resumo de sua história, conceitos importantes e seus desenvolvimentos. Linguagem em (Dis)curso, v. 4, p. 223-243, 2004. Disponível em . Acesso em 15 ago. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.67759

Apontamentos

  • Não há apontamentos.