Avaliação institucional participativa e o diálogo com as categorias de Boaventura de Sousa Santos

Mara Regina Lemes Sordi

Resumo


Analisa-se a política de avaliação institucional participativa implementada na rede municipal de Campinas segundo as categorias sociologia das ausências, das emergências e trabalho de tradução propostas por Sousa Santos. Resultados de pesquisa desenvolvida nesta rede (2008-2017) constituem-se base empírica do estudo. Observa-se potência de processos avaliativos centrados na escola que reconhecem os saberes dos múltiplos atores na construção da qualidade social.

 


Palavras-chave


Avaliação Institucional; escola pública; qualidade social

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. Para uma conceptualização alternativa de accountability em educação. Edu.

Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 471-484, abr.-jun. 2012.

BONDIOLI, Anna (Org.). O Projeto pedagógico da creche e a sua avaliação: a qualidade negociada. Campinas – SP; Autores Associados, 2004.

SANTOS FILHO, Serafim et al Avaliação como dispositivo de humanização em saúde. Considerações metodológicas. In: CAMPOS, R. O. & FURTADO, J. P. (org.) Desafios da avaliação de programas e serviços em saúde Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011, p. 257-278

FREITAS, L. C., et al. Avaliação Educacional: caminhando pela contramão. Petrópolis-RJ: Vozes, 2009.

PISTRAK. Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1981.

XXXX & FREITAS, L.C. Responsabilização Participativa. Revista Retratos da Escola, Brasília: v. 7, n. 12, p. 87-99, jan. /jun. 2013.

XXXX Desafiando a hegemonia do campo da avaliação da qualidade das escolas: a avaliação institucional participativa como estratégia. Tese (Livre docência) -UNICAMP, Campinas, 2018

SOUSA SANTOS, B. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, H.L.; AZEVEDO, J.C.; SANTOS, E.S. Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais Porto Alegre: Sulina, 1996.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬_________. Não disparem sobre o utopista. In: SOUSA SANTOS, Boaventura. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. V 1 5 ed, Cortez, 2005.

________. A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. SP: Cortez, 2006.




DOI: https://doi.org/10.21573/vol36n32020.104843

INDEXADORES

BBE – Bibliografia Brasileira de Educação (Brasília, MEC/INEP)
CLASE – Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (México, UNAM)
DIADORIM - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras
DOAJ - Directory of Open Access Journals
DRJI - Directory of Research Journals Indexing (Maharashtra, India)
Edubase (SBU/UNICAMP)
LATINDEX - Sistema Regional de Información em Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
Portal de Periódicos da Capes/MEC
Scielo Educ@ - Fundação Carlos Chagas-FCC, São Paulo/Brasil
Science Library Index - Meadow Springs, Mandurah State, Austrália
SUMÁRIOS.ORG - Sumários de Revistas Brasileiras

 

Licença Creative Commons
Revista Brasileira de Política e Administração da Educação,
da Associação Brasileira de Política e Administração da Educação
está licenciada com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/index

ISSN versão impressa: 1678-166X
ISSN versão eletrônica: 2447-4193

Prefixo DOI: 10.21573