Ações afirmativas: análise comparativa de desempenho entre estudantes cotistas e não cotistas em uma universidade pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n32020.101627

Palavras-chave:

Avaliação de Políticas Públicas, Ações Afirmativas, Cota na Universidade Pública, Inclusão Social

Resumo

Este trabalho teve como objetivo verificar o desempenho acadêmico dos alunos cotistas em relação aos não cotistas. A pesquisa foi realizada, por meio de estudo de campo, com 265 alunos do curso de Administração da Universidade Federal fluminense (UFF). Foi realizada uma análise dos coeficientes de rendimento acadêmico dos alunos que ingressaram através de cotas, bem como daqueles que ingressaram por ampla concorrência. O principal resultado indica que a política de ação afirmativa de cotas não impactou negativamente na formação do egresso do curso avaliado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Ferreira, Universidade Federal Fluminense

Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA/ UFF

Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense

Raquel de Souza Corrêa, Universidade Federal Fluminense – UFF

Mestranda em Administração PPGA/ UFF (Universidade Federal Fluminense), Brasil.

Thamires Domingos Paredes, Universidade Federal Fluminense

Mestranda em Administração Pública – UFF (Universidade Federal Fluminense), Brasil.

Márcio Moutinho Abdalla, Universidade Federal Fluminense

Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA/ UFF

Professor Adjunto da Universidade Federal Fluminense

Referências

ALVARENGA, C. F. et al. Desafios do ensino superior para estudantes de escola pública: um estudo na UFLA. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 6, n. 1, p. 55-71, 2012.

BEZERRA, T. O. C.; GURGEL, C. R. M. A política pública de cotas em universidades, enquanto instrumento de inclusão social. Pensamento & Realidade, v. 27, n. 2, p. 95-117, 2012.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 ago. 2012. Seção 1, p. 1-2.

CAMPOS, L. C. et al. Cotas sociais, ações afirmativas e evasão na área de Negócios: análise empírica em uma universidade federal brasileira. Revista Contabilidade & Finanças, v. 28, n. 73, p. 27-42, 2017.

CARVALHO, M. M. A educação superior no Brasil: o retorno privado e as restrições ao ingresso. Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v. 5, n. 15, p. 82-109, 2011.

DURHAM, E. R. Inequality in education and quotas for black students in universities. Novos Estudos-CEBRAP, v. 1, n. SE, p. 0-0, 2005.

FERES JR, J.; DAFLON, V. T. Ação afirmativa na Índia e no Brasil: um estudo sobre a retórica acadêmica. Sociologias, v. 17, n. 40, p. 92-123, 2015.

FERES JR, J.; DAFLON, V. T.; CAMPOS, L. A. Ação afirmativa, raça e racismo: uma análise das ações de inclusão racial nos mandatos de Lula e Dilma. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 12, n. 2, p. 399-414, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

IIZUKA, E. S. A Política de Cotas nas Universidades Brasileiras: como ela chegou à agenda de Políticas Públicas?[The Quotas Policy in Brazilian Universities: how it got agenda Public Policy?]. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, v. 5, n. 2, p. 51-48, 2016.

LIMA, M. Desigualdades raciais e políticas públicas: ações afirmativas no governo Lula. Novos estudos CEBRAP, n. 87, p. 77-95, 2010.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2004.

MATOS, M. S. et al. O impacto do Programa de Inclusão Social da Universidade de São Paulo no acesso de estudantes de escola pública ao ensino superior público gratuito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 93, n. 235, p. 720-742, 2012.

MOEHLECKE, S. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de pesquisa, n. 117, p. 197-217, 2002.

MORESI, E. Metodologia da pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2003.

OLIVEIRA, J. F. et al. Democratização do acesso e inclusão na educação superior no Brasil. Educação Superior no Brasil 10 anos pós-LDB, p. 71 citation_lastpage= 88, 2008.

OLIVEN, A. C. Ações afirmativas, relações raciais e política de cotas nas universidades: Uma comparação entre os Estados Unidos e o Brasil. Educação, v. 30, n. 61, p. 29-51, 2007.

PIOVESAN, F. Ações afirmativas da perspectiva dos direitos humanos. Cadernos de pesquisa, v. 35, n. 124, p. 43-55, 2005.

QUEIROZ, Z. C. L. S. et al. A lei de cotas na perspectiva do desempenho acadêmico na Universidade Federal de Uberlândia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 96, n. 243, p. 299-320, 2015.

RICHARDSON, R. J.; PERES, J. A. Pesquisa social: métodos e técnicas’, Atlas. São Paulo, 1999.

SANTOS, A. P. Itinerário das ações afirmativas no ensino superior público brasileiro: dos ecos de Durban à Lei das Cotas. Revista de Ciências Humanas, n. 2, p. 289-317, 2012.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, n. 16, p. 20-45, 2006.

UFF. Resolução N.º 001/2015. Ministério da Educação e Cultura – MEC. Universidade Federal Fluminense – UFF. Disponível em: <http://www.proac.uff.br/econ/sites/default/files/001-2015_regulamento_do_curso_de_graduacao_0.pdf>. Acesso em: 05 de jan. 2018

VELLOSO, J. Cotistas e não-cotistas: rendimento de alunos da Universidade de Brasília. Cadernos de pesquisa, v. 39, n. 137, p. 621-644, 2009.

WALTENBERG, F. D.; CARVALHO, M. D. Cotas aumentam a diversidade dos estudantes sem comprometer o desempenho. Sinais Sociais, v. 20, n. 7, p. 36-77, 2013.

Downloads

Publicado

2020-11-12

Como Citar

Ferreira, A., Corrêa, R. de S., Paredes, T. D., & Abdalla, M. M. (2020). Ações afirmativas: análise comparativa de desempenho entre estudantes cotistas e não cotistas em uma universidade pública. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(3), 1297–1314. https://doi.org/10.21573/vol36n32020.101627