PROPÉRCIO RECIDIVO

Paulo Martins

Resumo


Observando uma questão essencial à poética properciana, a saber, a constituição de personas poéticas no interior de suas coleções, o presente trabalho ocupa-se, a partir de exercícios de tradução, de verificar como no primeiro livro de elegias de Propércio – o Monobiblos – o poeta elegíaco opera seus interlocutores poéticos – tu e uos – a fim de delimitar não só a recepção poética apta ou decorosa como também a fim de operar um diálogo intergenérico nas elegias em favor do próprio gênero elegíaco romano, contaminando sua forma e conteúdo, sua res e uerba, com espécies e gêneros poéticos diversos ao da elegia romana, ainda que confins a ela, isso afora ser o mesmo mecanismo de construção poética capaz de estabelecer conexões entre o fazer poético fundado na fictio e na vida cotidiana romana.

Palavras-chave


Propércio; Monobiblos; interlocutores poéticos; personas poéticas; elegia erótica romana

Texto completo:

PDF


ISSN eletrônico: 2236-4013


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribuition 3.0.


Indexadores: 


 

 

cariniana 2

 

TRANSLATIO
Instituto de Letras
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500, CEP 91540-000
Porto Alegre - RS
Email: translatio.ufrgs@gmail.com