Jeremy Waldron e a sabedoria da multidão: a importância do Legislativo na resolução de desacordos de moralidade política

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/0104-6594.113254

Palavras-chave:

Jeremy Waldron. Desacordos de moralidade política. Legislativo. Sabedoria da multidão.

Resumo

atualmente, nos Estados que adotam Constituições rígidas e um controle jurisdicional de constitucionalidade forte, o Legislativo é visto com desconfiança enquanto as Cortes Constitucionais são tidas como um reduto de mestres da argumentação moral. Nesse cenário, ainda há razões para defender o protagonismo legislativo na resolução dos principais desacordos de moralidade política da sociedade? O presente trabalho analisa a crítica de Jeremy Waldron à visão utópica do Judiciário, apresentando os argumentos do autor em prol da sabedoria da multidão, que estaria presente no Legislativo. Como metodologia, utiliza-se o estudo bibliográfico, com ênfase nos argumentos apresentados por Waldron no livro A Dignidade da Legislação. Com base na análise realizada, constata-se que o Legislativo, mesmo que não seja composto por sábios eruditos, pode apresentar um significativo ganho epistêmico em virtude da diversidade de sua composição, sendo necessário ressaltar seu importante papel na resolução de desacordos morais da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Casimiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor de Direito Constitucional da Unichristus. Doutorando em Direito Público pela UERJ. Mestre e Graduado em Direito pela UFC. Especialista em Filosofia e Teoria do Direito pela PUC-MG. Fundador e coordenador-geral do Núcleo de Pesquisa em Interpretação e Decisão Judicial (NUPID).

Referências

ARISTÓTELES. Politics. Tradução: Benjamin Jowett. Batoche Books: Kitchener, 1999.

BARROSO, Luís Roberto. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do Direito: o triunfo tardio do Direito Constitucional no Brasil. In: BARROSO, Luís Roberto (org.). O novo Direito Constitucional brasileiro: contribuições para a construção teórica e prática da jurisdição constitucional no Brasil. Belo Horizonte: Fórum, 2018. p. 187-235.

CARDOSO, Renato César; CORTES, Pâmela de Rezende; OLIVEIRA, André Matos de Almeida. O caminho para o consenso – análise da crítica de Waldron a Rawls sobre desacordos políticos. Veritas, [s.l.], v. 64, n. 3, p. 1-27, 31 dez. 2019.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Entre o Guardião de Promessas e o Superego da Sociedade: Limites e Possibilidades da Jurisdição Constitucional no Brasil. Revista de Informação Legislativa, v. 51, p. 159-179, 2014.

CASTRO, Ruy. Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas. Companhia de Bolso: São Paulo, 2007. Disponível em: https://docero.com.br/doc/nve5s. Acesso em: 22 mai. 2020.

DIXON, Rosalind. Creating dialogue about socioeconomic rights: Strong-form versus weak-form judicial review revisited. International Journal of Constitutional Law, v. 5, n. 3, p. 391-418, 2007.

DIXON, Rosalind. O argumento central a favor da forma fraca de controle de constitucionalidade. Revista Direitos Fundamentais & Democracia, [S.L.], v. 24, n. 2, p. 5-55, 16 ago. 2019.

DWORKIN, Ronald. O império do direito. Trad: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DWORKIN, Ronald. Constitutionalism and Democracy. European Journal Of Philosophy, [S.L.], v. 3, n. 1, p. 2-11, abr. 1995.

DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ESCOSSIA, Matheus Henrique dos Santos da; COURA, Alexandre de Castro. Fundamentos de uma jurisdição constitucional: o ainda incontornável debate sobre quem (não) deve ter a última palavra sobre a constituição. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, [s.l.], v. 6, n. 3, p. 336-350, 29 set. 2014.

FEREJOHN, John. Judicializing politics, politicizing law. Law and Contemporary Problems, v. 65, n. 3, p. 41-68, 2002.

FISS, Owen. Between Supremacy and Exclusivity. The Least Examined Branch, [S.L.], p. 452-467, 2007.

HIRSCHL, Ran. A judicialização da megapolítica e o surgimento dos tribunais políticos. Judicialização da Política. São Paulo, v. 22, 2012. p. 27-62.

HIRSCHL, Ran. The political origins of the new constitutionalism. Indiana Journal of Global Legal Studies, v. 11, n. 1, p. 71-108, 2004.

KAVANAGH, Aileen. Participation and judicial review: a reply to Jeremy Waldron. Law and Philosophy, v. 22, n. 5, p. 451-486, 2003.

LOPES FILHO, Juraci Mourão; MAIA, Isabelly Cysne Augusto; SERAFIM, Matheus Casimiro Gomes. Os desacordos de moralidade política entre executivo e judiciário: uma análise do recurso extraordinário nº 657.718/mg. Revista Eurolatinoamericana de Derecho Administrativo, [S.L.], v. 7, n. 1, p. 207-230, 30 set. 2020.

MACHADO, Clara; MARTINI, Sandra Regina. Desjudicialização da saúde, diálogos interinstitucionais e participação social: em busca de alternativas para o sistema. Revista Estudos Institucionais, v. 4, n. 2, p. 774-796, 2018.

MENDES, Conrado Hübner. Constitutional Courts and Deliberative Democracy. Oxford: Oxford University Press, 2013.

MENDES, Conrado Hübner. Direitos fundamentais, separação de poderes e deliberação. São Paulo: Saraiva, 2011.

MICHELMAN, Frank I.. Brennan and Democracy. Princeton: Princeton University Press, 1999.

NEVES, Marcelo. Entre Hidra e Hércules: princípios e regras constitucionais como diferença paradoxal do sistema jurídico. 2ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

OMMATI, José Emílio Medauar; FARO, Julio Pinheiro. De poder nulo a poder supremo–O Judiciário como superego. A&C-Revista de Direito Administrativo & Constitucional, v. 12, n. 49, p. 177-206, 2012.

PLATÃO. A República. Tradução: Carlos Alberto Nunes. 3ª ed., Belém: EDUFPA, 2000.

ROACH, Kent. Dialogic judicial review and its critics. Supreme Court Law Review (2nd), v. 23, p. 49-104, 2004.

SILVA, Diogo Bacha e; BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco Moraes. Pensar a legitimidade da jurisdição constitucional em tempos de crise de política. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, [s.l.], v. 19, n. 1, p. 163-189, 31 out. 2018.

SILVA FILHO, Edson Vieira da; XAVIER, Gustavo Silva. Jurisdição constitucional e hermenêutica: discutindo as condições de possibilidade de aplicação do direito a partir da relativização da presunção de inocência. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, n. 38, p. 62-85, ago. 2018.

SOUZA NETO, Cláudio Pereira; SARMENTO, Daniel. Controle de constitucionalidade e Democracia; algumas teorias e parâmetros de ativismo. In: SARMENTO, Daniel (coord.). Jurisdição Constitucional e Política. Rio de Janeiro: GEN, 2015. p. 73-114.

STRECK, Lenio Luiz; MORBACH, Gilberto. (Autonomia do) Direito e desacordos morais. Revista Brasileira de Estudos Políticos, [s.l.], n. 119, p. 253-289, nov. 2019.

WALDRON, Jeremy. A dignidade da legislação. Tradução: Luís Carlos Borges. São Paulos: Martins Fontes, 2003.

WALDRON, Jeremy. A essência da oposição ao judicial review. In: BIGONHA, Antonio Carlos Alpino; MOREIRA, Luiz (Org.). Legitimidade da Jurisdição Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2010. p. 93-157.

WALDRON, Jeremy. Judges as moral reasoners. International Journal of Constitutional Law, v. 7, n. 1, p. 2-24, 2009b.

WALDRON, Jeremy. Law and Disagreement. Oxford: Oxford University Press, 1999.

WALDRON, Jeremy. O Judicial Review e as Condições da Democracia. In: BIGONHA, Antonio Carlos Alpino; MOREIRA, Luiz (Org.). Legitimidade da Jurisdição Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2009a. p. 243-270.

WALUCHOW, W. J.. A Common Law Theory of Judicial Review: The Living Tree. New York: Cambridge University Press, 2007.

Downloads

Publicado

2022-04-30