Gestão e transparência de dados educacionais na rede estadual paulista (1995-2018): a hegemonia gerencial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n32020.99902

Palavras-chave:

Dados Educacionais. Gerencialismo. Política Educacional.

Resumo

O artigo discute o sentido das políticas de dados educacionais desenvolvidas pela Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEDUC-SP) entre 1995 e 2018. Realizamos levantamento das principais legislações que nortearam as políticas de gestão de dados educacionais na SEDUC-SP, articulando modelo de gestão do Estado e relação com a sociedade civil. Os resultados apontam para uma política de dados vinculada, predominantemente, a racionalidade gerencial, a produção de resultados quantitativos, responsabilização e racionalização dos gastos em consonância com a centralidade que os princípios da Nova Gestão Pública assumiram nas políticas da SEDUC-SP no período analisado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Donizeti Girotto, Universidade de São Paulo. Professor do Departamento de Geografia

Mestre e Doutor em Geografia Humana. Professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo.

João Victor Pavesi de Oliveira, Departamento de Geografia, USP

Mestrando em Geografia Humana, USP

Isabel Furlan Jorge, Departamento de Sociologia, USP

Mestranda em Sociologia, USP

Referências

ADRIÃO, T. Oferta do ensino fundamental em São Paulo: um novo modelo. Educação & Sociedade, vol. 29, nº 102, janeiro-abril, 2008.

AZANHA, J. M. Uma ideia de pesquisa educacional. São Paulo: EDUSP, 2014.

BOBBIO, N. O futuro da democracia. 2ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1986.

BAKER, R. S. J. de; ISOTANI, S., CARVALHO, A. M. J. Baker de. Mineração de dados educacionais: oportunidades para o Brasil. Revista Brasileira de informática na educação, vol. 19, n. 2, 2011.

CALDERANO, M. da A. et al. O que o IDEB não conta. Juiz de Fora: EDUJF, 2013.

FLETCHER, P. R. Propósitos da Avaliação Educacional: uma análise das alternativas. Estudos em Avaliação Educacional. n. 11, 1995.

FREITAS, L. C. de. Eliminação Adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade de ensino. Educação & Sociedade. vol. 28, n. 100, outubro, 2007.

GIROTTO, E.; PASSOS, F.; CAMPOS, L.; OLIVEIRA, J. A geografia da reorganização escolar: uma análise espacial a partir da cidade de São Paulo. Educação temática digital, v. 19, 2017.

ISSA, M. K. Dados abertos Governamentais: Implicações e possibilidade em políticas públicas. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

LIMA, A. A. A.; SOUSA, F. P. Censo Escolar da Educação Básica: Uma referência para elaboração de políticas públicas e transferência de recursos para Educação Pública. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 94-102, dez. 2014. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/25>. Acesso em: 23 jan. 2020.

MARTINS, A. Uma análise da municipalização do ensino no estado de São Paulo. Cadernos de Pesquisa, n. 120, novembro, 2003.

RAMOS, G. P. Racionalidade e gerencialismo na política educacional paulista de 1995 a 2104: muito além das conjunturas. Ensaio: avaliação de políticas públicas educacionais. Rio de Janeiro, v. 24, n. 92, jul.-set., 2016.

SANTOS. O. A. R. Minha Escola Transparente: Uma análise comparativa do uso de dados governamentais abertos na educação básica no Brasil e Inglaterra. Dissertação (Mestrado) apresentada na Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa. FGV. 90 p. Rio de Janeiro, 2014.

SÃO PAULO. Resolução SE nº 15. Dispõe sobre procedimentos quanto à autorização de transformação de escolas, instalação, criação e extinção de classes. São Paulo: SEE-SP, 1996a

SÃO PAULO. Resolução SE nº 17. Constitui o Grupo Setorial de Informações Estratégicas e dá providências. São Paulo: SEE-SP, 1996b.

VERGER. A; NORMAND. R. Nueva Gestión Pública, y Educación: Elementos teóricos y conceptuales para el estudio de un modelo de reforma educativa global. Educação & Sociedade. v. 36, nº 132, p. 599-622. Campinas, 2015.

Downloads

Publicado

2020-11-12

Como Citar

Girotto, E. D., de Oliveira, J. V. P., & Jorge, I. F. (2020). Gestão e transparência de dados educacionais na rede estadual paulista (1995-2018): a hegemonia gerencial. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(3), 1248–1272. https://doi.org/10.21573/vol36n32020.99902