Uma perspectiva sistêmico-discursiva sobre a mercantilização e a estratégia de gestão do ensino superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n12020.99452

Palavras-chave:

Gestão Educacional, Teoria dos Sistemas Sociais, Estratégia Organizacional, Semântica da Estratégia

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar as escolhas discursivas do Grupo Estácio ao apresentar sua estratégia organizacional. Sob uma perspectiva sistêmico-discursiva, são discutidos os conceitos de sistema, sentido e comunicação. No contexto de expansão da educação privada evidenciam-se novas posturas e práticas educacionais e de gestão que privilegiam a visão de negócio e a mercantilização das relações. Termos e expressões que antes eram restritos ao sistema econômico, sob o código lucro/prejuízo, são incorporados e singularizados em uma semântica própria da estratégia educacional privada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Laus-Gomes, Universidade Católica de Brasília

Programa de Pós-Graduação em Educação

Renata Andreoni

Professora e Coordenadora de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade IBC

Referências

ANDERSEN, Niels A. Discursive analytical strategies: understanding Foucault, Koselleck, Laclau, Luhmann. Bristol: The Policy Press, 2003a.

ANDRESEN, Niels A. Polyphonic organisations. In: BAKKEN, Tore; HERNES, Tor. (Org.). Autopoietic organization theory: drawing on Niklas Luhmann’s social system perspective. Copenhagen: Copenhagen Business School Press, 2003b.

ANDERSEN, Niels A. Conceptual history and the diagnostics of the present. Management and Organizational History, v. 6, n. 3, p. 248-267, 2011.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e atualizações - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 1 nov. 2019.

CHAVES, Vera L. J. Expansão da privatização/mercantilização do ensino superior brasileiro: a formação dos oligopólios. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 111, p. 481-500, 2010.

ESTÁCIO. Site institucional. Disponível em: <http://portal.estacio.br/>. Acesso em: 19out2019.

FREIRE, Sérgio. Análise de discurso: procedimentos metodológicos. São Paulo: Instituto Census, 2014.

GOMES, Victor M. L. R. Uma leitura comunicacional da estratégia nas organizações. Galáxia, n. 33, p. 226-238, set.-dez., 2016.

GRI. G4: Diretrizes para relato de sustentabilidade. Amsterdã: Global Reporting Initiative, 2013. Disponível em: <http://www.b3.com.br/data/files/F7/07/8C/C9/5B243510DF0CA135790D8AA8/GRI-G4-Manual-de-Implementacao.pdf>. Acesso em: 9nov2019.

LÉDA, Denise B.; SOUSA, Ana Paula R. Políticas educacionais para o ensino superior de 2003 a 2012: expansão, precarização e privatização. Movimento Revista de Educação, Niterói, n. 8, p. 150-178, 2018.

LUHMANN, Niklas. Introdução à teoria dos sistemas. Petrópolis: Vozes, 2011.

LUHMANN, Niklas. Sistemas sociais: esboço de uma teoria geral. Petrópolis: Vozes, 2016.

TERREO, Glaucia. Entrevista: Glaucia Terreo, representante da Global Reporting Initiative no Brasil, fala sobre a evolução dos relatórios de sustentabilidade. [Entrevista concedida a] Karen Pegorari Silveira. Portal FIESP. Federação das Indústrias de São Paulo, São Paulo. Disponível em: <https://www.fiesp.com.br/indices-pesquisas-e-publicacoes/entrevista-glaucia-terreo-representante-da-global-reporting-initiative-gri-no-brasil-fala-sobre-a-evolucao-dos-relatorios-de-sustentabilidade/>. Acesso em: 9nov2019.

Downloads

Publicado

2020-08-04

Como Citar

Laus-Gomes, V., & Andreoni, R. (2020). Uma perspectiva sistêmico-discursiva sobre a mercantilização e a estratégia de gestão do ensino superior. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(1), 293–309. https://doi.org/10.21573/vol36n12020.99452