Divisão Sexual do Trabalho na Gestão Educacional: O perfil dos (as) Secretários (as) Estaduais de Educação no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol38n002022.119127

Palavras-chave:

Gestão. Carreira Docente. Divisão Sexual do Trabalho.

Resumo

Investigou-se o perfil dos (as) secretários (as) estaduais de educação que assumiram a função entre janeiro de 2019 a abril de 2021, sob a perspectiva da Divisão Sexual do Trabalho. Características como sexo, idade, estado civil, parentalidade, cor/raça, escolarização, experiência profissional e salários foram coletados nas mídias digitais. Aferiu-se o perfil do (as) 27 secretários (as) investigados com outros indicadores do trabalho docente e constatou-se a reprodução da divisão sexual do trabalho na função de gestão das Secretarias Estaduais de Educação, conexa a outros marcadores sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carliene Freitas da Silva Bernardes, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Professora do Magistério Superior na Universidade Federal do Tocantins. Lotada no curso de Licenciatura em Educação Física no Câmpus de Tocantinópolis, responsável pelas disciplinas de Psicologia e áreas afins.

Selva Guimarães, Universidade de Uberaba - UNIUBE

Professora Titular da UNIUBE; Professora Permanente dos Programas de Pós-graduação em Educação da UNIUBE - Universidade de Uberaba (Mestrado Profissional e Doutorado em Educação).

Lidiana Simões Marques, Universidade de Uberaba - UNIUBE

Professora nível 2 na carreira do Magistério Superior da Universidade de Uberaba-UNIUBE, Uberaba-MG.

Marco Antônio Maciel Pereira, Instituto Federal do Triângulo Mineiro - IFTM

Pesquisador em Políticas Públicas da Educação e Engenharia de Software. Professor EBTT - Ensino Básico, Técnico e Tecnológico no Instituto Federal do Triângulo Mineiro.

Referências

ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. Tradução Heci Regina Candiani. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

ALMEIDA, Jane S. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

ALMEIDA, Jane S.; SOARES, Marisa. Mudaram os tempos; mudaram as mulheres? Memórias de professoras do Ensino Superior. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 17, n. 2, p. 557-580, Jul. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772012000200013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 nov. 2020.

BERNARDES, Carliene F. S.; GUIMARÃES, Selva. Quando homens e mulheres assumem a direção: as diferenças de gênero na gestão escolar. Revista Profissão Docente, Uberaba, v.19, n.40, p.01-18, jan./abr. 2019, Disponível em: http://revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/view/1284. Acesso em: 10 de jun. 2019.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: o limite da democracia no Brasil. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRASIL. Lei no. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, de 23 de dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 10 jan. 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. 16 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEMARTINI, Zeila B. F.; ANTUNES, Fátima F. Magistério primário: profissão feminina, carreira masculina. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 86, p. 05-14, ago. 1993. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/934. Acesso em: 26 jan. 2019.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Brasília, Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, Jun. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 Ago. 2020.

________. Mulheres brasileiras: relações de classe, de “raça” e de gênero no mundo do trabalho. Confins [En ligne], 26 | 2016, mis en ligne le 22 février 2016. Disponível em: http://journals.openedition.org/confins/10754. Acesso em: 18 set. 2020.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniele. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n.132, p. 595-609, Dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742007000300005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 Ago. 2020.

INEP – INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E PESQUISAS ANÍSIO TEIXEIRA/ Ministério da Educação. Nota Técnica n. 10/2017/CGCQTI/DEED. A remuneração média dos docentes em exercício na educação básica: pareamento das bases de dados do Censo Escolar e da RAIS. Brasília, DF: Inep, 2017a. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2014/rendimento_medio_docentes/rendimento_medio_docentes_2014.pdf>. Acesso em: 16 fev. 2018.

_______. Sinopse Estatística da Educação Superior 2018. Brasília: Diretoria de Estatísticas Educacionais – DEED/INEP/MEC, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior/resultados. Acesso em: 15 abril 2020.

________. Sinopse Estatística da Educação Básica 2019. Brasília: Diretoria de Estatísticas Educacionais – DEED/INEP/MEC, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-escolar/resultados. Acesso em: 30 abril 2020.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do Trabalho e Relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Unesp, 2009, p. 67-75.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 2003. Disponível em: https://bibliotecaonlinedahisfj.files.wordpress.com/2015/03/genero-sexualidade-e-educacao-guacira-lopes-louro.pdf. Acesso em 10 fev. 2019.

_______. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla (Org.). História das Mulheres no Brasil. 7 ed. São Paulo: Contexto, 2004, p. 443-481.

MATHIEU, Nicole-Claude. Sexo e Gênero. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Unesp, 2009, p. 222-231.

OSÓRIO, Rafael G. O sistema classificatório de “cor ou raça” do IBGE: texto para discussão no. 996. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/IPEA, 2003.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 515-540, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2001000200011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 maio de 2020.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.16, n.2, p.5-22, Jul/dez. 1990.

SOUZA, Ângelo R. Perfil da Gestão Escolar no Brasil. 2006. 333f. Tese (Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/10567/1/ANGELO%20RICARDO%20DE%20SOUZA.pdf. Acesso em: 22 jan. 2019.

VIANNA, Cláudia P. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré, 2013, p. 159-180.

________. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, Campinas, n. 17-18, p. 81-103, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332002000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 abril 2020.

YANNOULAS, Sílvia C. Feminização ou feminilização? Apontamentos em torno de uma categoria. Temporalis, Brasília (DF), ano 11, n.22, p.271-292, jul./dez. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/1368. Acesso em: 20 de março de 2020.

Downloads

Publicado

2022-11-23

Como Citar

Bernardes, C. F. da S., Guimarães, S., Marques, L. S., & Pereira, M. A. M. (2022). Divisão Sexual do Trabalho na Gestão Educacional: O perfil dos (as) Secretários (as) Estaduais de Educação no Brasil. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 38(00). https://doi.org/10.21573/vol38n002022.119127