Gerencialismo e Performatividade: Influências na Prática da Gestão Educacional

Autores

  • Haroldo Andriguetto Junior PUCPR
  • Maria Lourdes Gisi PUCPR.

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol38n002022.117220

Palavras-chave:

Gestão educacional, gerencialismo, performatividade.

Resumo

O artigo analisa a influência da lógica performativa e gerencialista nas práticas de gestão de escolas de educação básica de Curitiba (PR). Utiliza-se a abordagem qualitativa a partir de relatos de gestores educacionais, submetidos à técnica de análise de conteúdo. Com base nos estudos de Pierre Bourdieu e Stephan Ball, os dados revelaram que há forte influência do gerencialismo e performatividade nas instituições educacionais. Argumenta-se que tais teorias, de princípios mais racionalizantes, são insuficientes quando transpostas para as escolas, instituições estas complexas por excelência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Haroldo Andriguetto Junior, PUCPR

Doutor em Educação (PUCPR). Diretor de Escola de Educação Básica. E-mail: haroldo.andriguetto@hotmail.com

Maria Lourdes Gisi, PUCPR.

Doutora em Educação (UNESP). Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). E-mail: gisi.marialourdes@gmail.com

Referências

ARROYO, M. G. Administração da educação, poder e participação. Educ. Soc., v. 1, n. 2, p. 36-46, jan. 1979.

BALDRIDGE, J. V. Organizational characteristics of colleges and universities. In: BALDRIDGE, J. V.; DEAL, T. The dynamics of organizational change in educations. California: McCutchan Publishing Corporation, 1983.

BALL, S. J. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Tradução Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

______. Global Education Inc.: New policy networks and the neoliberal imaginary. New York: Routledge, 2012, p. 37.

______. Profissionalismo, Gerencialismo e Performatividade. Cad. Pesqui., v. 35, n. 126, p. 539-564, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BELLO, S. E. L.; TRAVERSINI, C. O numerável, o mensurável e o auditável: estatística como tecnologia para governar. Educação & Realidade, v. 34, n. 2, p. 135‐152, maio/ago., 2009.

BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983, p.120.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Democracy and Public Policy Management Reform. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

______. Reforma do Estado para a cidadania. São Paulo: Editora 34, 1998.

CAIDEN, G. Excessive bureaucratization: The J-Curve theory of bureaucracy and Max Weber through the looking glass. In: FARAZMAND, A. (org.). Handbook of bureaucracy. New York: Marcel Dekker, 1994, cap. 3.

CATANI, A. M. et al. (orgs.). Vocabulário Bourdieu. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, p. 214.

COHEN, M.D.; MARCH, J.G.; OLSEN, J.P. A Garbage Can Model of Organizational Choice. Administrative Science Quarterly, v.17, n. 1, p.1-25, 1972.

CLEGG, S. R.; HARDY, C. Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

DRABACH, N. P.; SOUZA. A. R. Leituras sobre a gestão democrática e o “gerencialismo” na/da Educação no Brasil. Revista Pedagógica, Chapecó, v.16, n. 33, p. 221-248, jul./dez. 2014.

DU GAY, P. Consumption and Identity at Work. Londres: Sage, 1996.

ESQUINSANI, R. S. S. Performatividade e educação: a política das avaliações em larga escala e apropriação da mídia. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 5, n. 2, p. 131-137, jul/dez. 2010.

ETZIONI, A. Organizações Modernas. 2. ed. Tradução de Míriam L. Moreira Leite. São Paulo: Pioneira, 1972.

FÉLIX, M. F. C. Administração escolar: um problema educativo ou empresarial? Análise da proposta do Estado capitalista brasileiro para a burocratização do sistema escolar. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1984.

HOY, W. K.; MISKEL, C. G. Administração educacional: teoria, pesquisa e prática. 9. ed. Porto Alegre: AMGH, 2015.

JOHANNPETER, J. G. Apresentação. In: TPE. De Olho nas Metas. São Paulo: Todos Pela Educação, 2008, p. 7.

JULIATTO, C. I. Seria a Universidade uma empresa como as demais? Universidade em Debate, v. 1, n. 1, p. 12-21, jul./dez., 2013.

KRAWCZYK, N. A Construção social das políticas educacionais no Brasil e na América Latina. In: KRAWCZYK, N.; CAMPOS, M. M.; HADDAD, S. O cenário educacional latino-americano no limiar do século XXI: reformas em debate. Campinas: Autores Associados, 2000, p. 2-12.

LIMA, L. A escola como organização educativa. Uma abordagem sociológica. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LYOTARD, J. F. The postmodern condition. A report a knowledge (v.10). Manchester. Manchester United Press, 1984.

MAIA, G. Z. A. As publicações da ANPAE e a trajetória do conhecimento em administração da educação no Brasil. RBPAE, v. 24, n. 1, p. 31-50, jan./abr. 2008.

MEYER JR., V. Planejamento universitário: ato racional, político ou simbólico: um estudo de universidades brasileiras. Revista Alcance, v. 12, n. 3, p. 373-389, set./dez. 2005.

MINTZBERG, H. The fall and rise of strategic planning. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1994.

______. Mintzberg, a note on that dirty word “efficiency”. In: MINTZBERG, H. On management: inside our strange world of organizations. New York: Free Press, 1989. 330-334p.

PARO, V. H. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1988.

PAULA, A. P. P. Administração Pública Brasileira – Entre o Gerencialismo e a Gestão Social. Rev. Adm. Empres., v. 45, n.1, p. 36-49, 2005.

ROSAR, M. F. F. A dialética entre a concepção e a prática da gestão democrática no âmbito da educação básica no Brasil. Educ. Soc., v. 20, n. 69, p. 165-176, 1999.

SOUSA, C. P.; FERREIRA, S. L. Avaliação de larga escala e da aprendizagem na escola: um diálogo necessário. Psicologia da Educação, São Paulo, v. 48, p. 13-23, 1º sem. de 2019.

SOUZA, A. R. Perfil da Gestão Escolar no Brasil. 2007. Tese (Doutorado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP. São Paulo. 2007, 302p.

SOUZA, S. Z. L. Avaliação e gestão da Educação Básica no Brasil: da competição aos incentivos. In: DOURADO, L. F. Políticas e gestão da educação no Brasil: Novos marcos regulatórios. São Paulo: Xamã, 2009. p. 31-45.

WEICK, K. E. Educational organization as loosely coupled systems. Administrative Science Quarterly, v. 21, n. 1, p. 1-19, mar. 1976.

Downloads

Publicado

2022-08-10

Como Citar

Junior, H. A., & Gisi, M. L. (2022). Gerencialismo e Performatividade: Influências na Prática da Gestão Educacional. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 38(00). https://doi.org/10.21573/vol38n002022.117220