A REGRESSIVIDADE DEMOCRÁTICA DA BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol38n12022.114107

Palavras-chave:

BNCC, liberdade de ensino, Currículo, Competências, democracia.

Resumo

Este artigo consiste em análise documental que evidencia o desrespeito à Constituição Federal e à LDBEN/96 efetivado na BNCC (Base Nacional Comum Curricular). Afirma-se que a BNCC, como documento de caráter normativo, impõe uma única concepção pedagógica e curricular: a Pedagogia e o Currículo por Competências. Ao fazê-lo, desrespeita os princípios constitucionais da pluralidade de concepções pedagógicas, da liberdade de ensinar e aprender e o da autonomia das escolas na construção de suas propostas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Itamar Mendes da Silva, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Educação (Currículo) pela PUC/SP e pós-doutor em Políticas, Educação, Formação e Sociedade pela Universidade Federal Fluminense. Professor Associado na Universidade Federal do Espírito Santo atuando na graduação e na pós graduação; Vice-presidente da Anpae, gestão 2021-2023. Líder do Grupo de pesquisa Gestão, Trabalho e Avaliação Educacional - Getae (CNPq); integra o Grupo de Estudos e Pesquisas Paulo Freire - GEPPF (CNPq) - e o Laboratório de Gestão da Educação Básica do Espírito Santo - Lagebes. Email: itamarmendes62@gmail.com.

Valter Martins Giovedi, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Educação (Currículo) pela PUC/SP. Professor Adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES, atuando no curso de Licenciatura em Educação do Campo. Coordenador de programas de extensão de formação continuada para professores/as de redes públicas. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Paulo Freire – GEPPF (CNPq).

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 16. jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, Presidência da República [1996]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 16. jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.005/2014 – Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 29 jun. 2020.

_______. Lei 12.612/2012 - Declara o educador Paulo Freire Patrono da Educação Brasileira. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12612.htm. Acesso em: 16. jun. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC), 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 29 jun. 2020.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3ª ed. Curitiba: positivo, 2004.

FREIRE, Paulo; MACEDO, Donaldo. Alfabetização: leitura do mundo leitura da palavra. 2ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1994.

FREIRE, Paulo. Papel da Educação na Humanização, Rev. Paz e Terra, Nº 09, p. 123-132, out. 1969. Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/1127/1/FPF_OPF_01_0003.pdf. Acesso em: 14 set. 2020.

____________. Pedagogia do Oprimido. 8ª Ed., Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1980.

____________. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 6ª Ed., São Paulo, Olho d’água:1995.

____________. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, 1996.

______. À sombra desta mangueira. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Trad. Guacira Lopes Louro. Porto Alegre, Artes médicas, 1993.

GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais – Rumo a uma pedagogia crítica da Aprendizagem. Trad.: Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

_______. A escola crítica e a política cultural. Trad. Dogmar M. L. Zibas. São Paulo: Cortez, 1988.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa. O neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

LIBÂNEO, José Carlos; ALVES, Nilda (Orgs.) Temas de Pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo, Cortez, 2012.

LIMA, Licínio. Organização Escolar e Democracia Radical: Paulo Freire e a governação democrática da escola pública. São Paulo: Cortez, 2000.

PACHECO, José Augusto. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 2001.

RAVITCH, Diane. Vida e Morte do Grande Sistema Escolar Americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SAVIANI, Nereide, Saber Escolar, currículo e didática: Problemas de unidade conteúdo/método no processo pedagógico – 6ª. Ed. Revista – Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

TEXEIRA, Anísio. Educação para a Democracia. Rio de Janeiro: José Olympio; 1936.

Downloads

Publicado

2022-04-01

Como Citar

Mendes da Silva, I., & Giovedi, V. M. (2022). A REGRESSIVIDADE DEMOCRÁTICA DA BNCC. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 38(00). https://doi.org/10.21573/vol38n12022.114107