A política de inclusão escolar para o aluno surdo na perspectiva do tradutor e intérprete de Libras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol36n32020.102366

Palavras-chave:

Políticas Públicas. Surdez. Tradutor Intérprete de Libras. Educação Inclusiva

Resumo

A inclusão de alunos surdos revela-se desafiadora sob muitos aspectos, particularmente quanto a implementação de políticas públicas voltadas para seu acesso e permanência na escola. Os surdos enfrentam problemas na escolarização e uma das alternativas encontradas para minimizar essa problemática é a inserção do intérprete no contexto educacional. O objetivo desta pesquisa foi investigar, na perspectiva do Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais/ Língua Portuguesa, a implementação da política de inclusão escolar para o aluno surdo. O estudo é de natureza qualitativa, descritivo, tendo como instrumentos o Questionário de Avaliação da Política de Inclusão Escolar e a entrevista semiestruturada. Entre os resultados destacam-se a sobrecarga de trabalho, a ausência de revezamento e a falta de colaboração com o professor da classe comum. Além disso, o acesso à escola é facilitado, porém a permanência vem sendo inviabilizada por distintos fatores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Assunção Xavier Ferreira, Universidade Federal do Maranhão

PROFESSORA DE LIBRAS DO CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS DO CAMPUS DE GRAJAÚ NA ÁREA DE EDUCAÇÃO

Ana Valeria Marques Fortes Lustosa, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PÍAUÍ

Professora Titular do Centro de Ciências da Educação da Univwersidade Federal do Piauí. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação. Departamento de Fundamentos da Educação. Área: Psicologia e Educação Especial e Inclusiva. Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília

Referências

BALL, S. J. Como as escolas fazem políticas. Ponta Grossa: UEPG, 2016.

BALL, Stephen J.; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annette. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016. 220 p.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. – Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa. Texto Constitucional promulgado em 05 de outubro de 1998. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2003.

BRASIL. Decreto nº. 5.626. Regulamenta a Lei nº. 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e o art. 18 da Lei nº. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 22 dez. 2005.

BRASIL. Decreto nº. 9.656, de 27 de dezembro de 2018. Altera o Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras.

BRASIL. Lei nº. 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Diário Oficial da União em 1º de set de 2010.

BRASIL. Lei nº. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União em 6 de julho de 2015.

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-10098-19-dezembro-2000-377651-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 05 de abril de 2020.

BRASIL. Projeto de Lei nº 9.382 de 19 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício profissional e condições de trabalho do profissional tradutor, guia-intérprete e intérprete de Libras, revogando a Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2166683. Acesso em: 05 de abril de 2020.

DORZIAT, A.; ARAÚJO, J. R. O intérprete de língua de sinais no contexto da educação inclusiva: o pronunciado e o executado. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 18. nº 3, jul-set.2012.

GESSER, A. Libras que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

HOFLING. E. de. M. Das políticas de governo a política de estado: Reflexões sobre a atual agenda educacional brasileira. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 115, p. 323-337, abr.-jun. 2011

Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em: 20 de abril de 2020.

KASSAR, M. de C. M. Uma breve história da Educação das pessoas com deficiência no Brasil. In: MELLETTI, Silvia Márcia Ferreira; KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães (Orgs.). Escolarização de alunos com deficiência: desafios e possibilidades. São Paulo: Mercado das Letras, 2013, p. 33-76.

LACERDA, C. B. F. de.; SANTOS, L. F. dos; MARTINS, V. R. O. Escola e diferenças: caminhos para uma educação bilíngue de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2016.

LACERDA, C. B. F.; O intérprete de língua brasileira de sinais (ILS). In: LODI, A. C. B.; MÉLO, A. D. B. de.; FERNANDES, E. Letramento, Bilinguismo e Educação de Surdos. Porto Alegre: Mediação, 2012, p. 247-287.

LODI A. C. B; HARRISON, K. M. P.; CAMPOS, S. R. L. de; TESKE, O. (org.). Letramento e minorias. Porto Alegre: Editora Mediação, 2009.

LOPES, M. C. Inclusão & Educação. 1 ed.; 1. Reimp. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011 (Coleção Temas & Educação).

NÓVOA, A. S. da. Revista Nova Escola, 2001. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/179/entrevista-formacao-antonio-novoa> Acesso em: 20 de mar de 2019.

MARTINS, D. A. Trajetórias de formação e condições de trabalho do intérprete de libras em instituições de Educação Superior. 2009. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2009.

MEGALE, A. H. Bilinguismo e Educação Bilíngue – Discutindo Conceitos. 2005. Disponível em:

http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_5_bilinguismo_e_educacao_bilingue.pdf. Acesso em: 23 de abril de 2020.

PEGO, C. F. Sinais não-manuais gramaticais da LSB nos traços morfológicos e lexicais. Um estudo do morfema-boca. 88 f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade de Brasília, 2013.

PERLIN, Gladis. Identidades Surdas. In C. Skliar (Org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, R. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília: MEC/SEESP, 2004. 94 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorLibras.pdf

QUADROS, R. O tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEESP, 2002

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora UFSC, 2013.

TURETTA, B. A dos R.; LACERDA, C. B F. de.; MENDES, E. G. Questionário de avaliação da política de inclusão escolar: Tradutor e Intérprete de Libras/Língua Portuguesa. Universidade Federal de São Carlos – SP. 2016.

Downloads

Publicado

2020-11-12

Como Citar

Assunção Xavier Ferreira, A. C., & Marques Fortes Lustosa, A. V. (2020). A política de inclusão escolar para o aluno surdo na perspectiva do tradutor e intérprete de Libras. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 36(3), 1315–1335. https://doi.org/10.21573/vol36n32020.102366