O ACERVO DOCUMENTAL DO INVENTÁRIO DA LIDA CAMPEIRA SOB O OLHAR DO DESENHO

Autores

  • Flávia Maria Silva Rieth Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.134120

Palavras-chave:

INRC. Lida Campeira. Acervo. Desenho. Etnografia.

Resumo

Este artigo apresenta a reflexão sobre desenhar o acervo da pesquisa do INRC da lida campeira nas regiões de Bagé e do Alto Camaquã/RS como uma ação de restituição para com os detentores dos saberes e fazeres pecuários. Atenta-se para o processo de aprendizagem da linguagem visual por parte da antropóloga para pensar a caraterística híbrida – de transposição das linguagens escrita, sonora e imagética – do conhecimento etnográfico em relação com a alteridade. Processo artesanal em que o tempo e a criatividade operam de forma a buscar a resolução dos problemas sobre o que e como desenhar os modos de vida na pecuária na pampa brasileira, a partir do olhar o acervo do Inventário, artefato da imaginação científica que visa a documentar e produzir conhecimento do registro da lida campeira como patrimônio imaterial brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Maria Silva Rieth, Universidade Federal de Pelotas

Professora do Departamento de Antropologia e Arqueologia do Instituto de Ciências Humanas/UFPEL; Pesquisadora Vinculada ao Grupo de Estudos Etnográficos Urbanos (GEEUR)

Referências

ARANTES, Antonio A. Sobre Inventários e outros instrumentos de salvaguarda do patrimônio cultural intangível: ensaios de antropologia pública. Anuário Antropológico, v. 33, n. 1, p. 173-222, 2008.

AZEVEDO, Aina. Desenho e antropologia: recuperação histórica e momento atual. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 5, n. 2, p. 15-32, 2016.

BISPO, Marcelo S. Impossibilidade da ciência aberta sem alteridade e pluralidade epistêmica. Revista de Administração Contemporânea, v. 26, n. 2, p. 1-7, 2022.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo. São Paulo, UNESP, 2006.

CARDOSO, Sérgio. O olhar dos viajantes (Do etnólogo). Artepensamento: ensaios filosóficos e políticos, 1988.

FREIRE, Beatriz M. O inventário e o registro do patrimônio imaterial: novos instrumentos de preservação. Cadernos de LEPPARQ – Textos de Arqueologia, Antropologia e Patrimônio, v. 2, n. 3, p. 11-19, Pelotas: EdUFPEL. 2005.

GUIMARÃES, Ana Cristina R. e ANTUNES, Camila S. Repensando uma metodologia: a experiência de aplicação do INRC. Revista Mosaico Social, ano 3, n. 2, p. 197-206, 2006.

INRC Lida Campeira. Blog do INRC Lida Campeira. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2022. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/lidacampeira/. Acesso em: 28 fev. 2022.

KUSCHNIR, Karina. A antropologia pelo desenho: experiências visuais e etnográficas. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 5, n .2, p. 5-13, 2016.

LAVE, Jean. Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, ano 21, n. 44, p. 37-47. Porto Alegre: EdUFRGS, 2015.

O REGISTRO DO PATRIMÔNIO IMATERIAL – Dossiê final das atividades da Comissão e do Grupo de Trabalho Patrimônio Imaterial. Ministério da Cultura/ Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional / Fundação Nacional de Artes. Brasília, DF, dez. 2006.

PEREIRA, Fabíola M.; RIETH, Flávia Maria S.; KOSBY, Marília F. inventário nacional de referências culturais – pecuária/Bagé-RS. In: BEVILAQUA, Ciméa B. e VELDEN, Felipe V. (Orgs.). Parentes, vítimas, sujeitos: perspectivas antropológicas sobre relações entre humanos e animais. Curitiba, EdUFPR; São Carlos, SP, EdUFCar, p. 189-204. 2016.

ROCHA, Ana Luiza C. da e CERVO, Mateus. Antropologia em outras linguagens: experiências com o projeto “o livro do etnógrafo”. Tessituras – Revista de Antropologia e Arqueologia, v. 7, n. 2, p. 214-241. Pelotas, RGS: EdUFPEL, 2019.

ROCHA, Malu. Entrevista concedida à Flávia Rieth. Gravada. jun. 2022.

TAUSSIG, Michael. I swear I saw this – drawings in fieldwork notebooks, namely my own. Chicago: University Press, 2011.

TIM, Ingold. La creatividad que se experiência. Innovación e Investigación en Arquitectura y Territorio. Universidad de Alicante, n. 5. 2016.

VALENTINI, Luísa. O meio de ter ideias imprevistas: Lévi-Strauss, fichas e fichários. Campos – Revista de Antropologia, v. 18, n. 1-2, p. 19-42, 2017.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo, Cosac Naify, 2010.

Downloads

Publicado

2023-10-07

Como Citar

RIETH, F. M. S. O ACERVO DOCUMENTAL DO INVENTÁRIO DA LIDA CAMPEIRA SOB O OLHAR DO DESENHO . ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 24, n. 65, p. 101–119, 2023. DOI: 10.22456/1984-1191.134120. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/134120. Acesso em: 23 fev. 2024.