UM CASEBRE JUNTO À CADEIA: Sociabilidade entre figuras sociais antagônicas

Autores

  • Laura Meira Bonfim Mantellatto Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.125957

Resumo

Por meio de um relato de história oral, este artigo recupera detalhes da forma de sociabilidade, e os sentidos atribuídos à vida cotidiana, no contexto histórico das décadas de 1960 a 1980. Quem nos conta esta história é Lourdes, mulher que, em 1964, logo após o casamento com um policial militar, mudou-se com ele para um casebre anexo à cadeia de madeira, na pequena cidade de Ivaiporã/PR. Lourdes relata a formação de um relacionamento de amizade com os presos, com quem partilhava, inclusive, a cozinha do casebre, onde alguns dos homens eram encarregados pelo preparo da refeição para o todo o grupo encarcerado. Além deles, Lourdes também se aproxima de mulheres da zona de meretrício, as quais, quando presas, ficavam sob seus cuidados. O artigo discute as transformações sociais ao longo processo de modernização de Ivaiporã, com ênfase na política de administração dos espaços e possibilidades de arranjos interpessoais ao longo do período ditatorial, responsável por reprimir encontros e formas de associação variadas.

Palavras-chaves: História oral. Sociabilidade. Modernização capitalista. Ditadura militar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-12-27

Como Citar

MEIRA BONFIM MANTELLATTO, L. UM CASEBRE JUNTO À CADEIA: Sociabilidade entre figuras sociais antagônicas. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 23, n. 63, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.125957. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/125957. Acesso em: 9 fev. 2023.