Produção representativa de imagens como ferramenta de luta, inserção e permanência em espaços públicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.116394

Palavras-chave:

Imagem. Transexualidade. Ativismo trans. Audiovisibilidade

Resumo

Esse artigo tem como proposta compreender representações sobre a produção e divulgação de imagens construídas a partir da mobilização de mulheres trans – transexuais e travestis – e como seus corpos dialogam com os espaços públicos, incluindo a internet. Como metodologia utilizei estudo etnográfico acompanhado de captura de imagens estáticas e audiovisuais e análise de postagens através das redes sociais. O estudo possibilitou reflexão acerca da presença de corpos trans nos espaços públicos, midiáticos e institucionais dentro da abordagem política, como forma de transgredir o sistema heteronormativo, almejando a normalização dos corpos trans no imaginário social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rossana Fraga Ferreira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestranda em Ciências Sociais pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com especialização em Sociologia Urbana/UERJ e graduação em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

BAITELLO JUNIOR, N. A Era da Iconofagia – Ensaios de Comunicação e Cultura. Hacker Editores. São Paulo, 2005.

BUTLER, J. Quadros de Guerra – quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

________ Regulações de Gênero. Cadernos Pagu. 2014.

MIRZOEFF, N. O Direito a Olhar. ETD. São Pulo, 2016.

MIÑOZ, E. Desidentifications. Queers of color and the performance of politics. University of Minnesota Press. Minneapolis, 1999.

PACHECO, I e PACHECO, R.A. Direito, violências e sexualidades: a transexualidade em um contexto de direitos. Colômbia, 2016.

PONTES, J. e SILVA, C. Cisnormatividade e passabilidade: deslocamentos e diferenças nas narrativas de pessoas trans. Periódicus. Salvador, 2017.

REZENDE, A. e ROCHA, R. “Diva da Sarjeta: ideologia enviadescida e blasfêmea pop-profana nas políticas de audiovisibilidade da travesti paulistana Linn da Quebrada”. In: Revista Contracampo. Niterói, 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

FERREIRA, R. F. Produção representativa de imagens como ferramenta de luta, inserção e permanência em espaços públicos. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 22, n. 59, 2021. DOI: 10.22456/1984-1191.116394. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/116394. Acesso em: 1 dez. 2022.