PERFORMATIVIDADE DA IMAGEM E RESSEMANTIZAÇÃO DO ÂNUS: A performance da cuceta e a autenticidade de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.116393

Palavras-chave:

ressemantização, imagem performativa, performatividade, cuceta, Erótica dos Signos

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir como uma sequência imagética compartilhada em grupos de WhatsApp para performance de desejo bareback ressemantizaria o ânus masculino como um órgão feminino. Essa sequência, assim como a breve interação que suscita no referido grupo, será objeto de análise. Partimos da ideia de que a sequência em questão, que se vale de um neologismo (cuceta) para operar tal ressemantização, desestabiliza o sistema de classificação de gênero e promove uma re-inscrição do corpo nas políticas do desejo, as quais teriam o poder de reconfigurar o corpo anatômico e recriá-lo semioticamente. O potencial desestabilizador tanto do corpo como do repertório social imagético que as imagens da cuceta incitam parece fundar um espaço simbólico para discutir a performatividade das imagens, ou seja, sua potência agentiva, transformativa e, quiçá, revolucionária. Com base em teorizações de Austin (1990 [1962]), Derrida (1988 [1972]) e Butler (2007 [1990]), este texto, que adota a etnografia semiótica como metodologia, pretende contribuir para o campo dos estudos de gênero e imagem com uma análise da circulação e recepção da sequência imagética referenciada. Como principal instrumento analítico, empregamos a indexicalidade (SILVERSTEIN, 2003). Os resultados sugerem não apenas que a materialidade dos corpos depende de sua performance e do arcabouço sócio-histórico que a regimenta, mas também que as semioses em jogo são um dos principais ingredientes de nossa materialidade corpórea e social. Performances como a da cuceta, ao colocarem em xeque noções engessadas sobre gênero e corpos, abrem passagem para que novas performatividades eclodam em ganhos políticos e éticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gleiton Matheus Bonfante, Universidade Federal de Goiás

Professor visitante no departamento de Letras da Universidade Federal de Goiás.

Clarissa Rodrigues Gonzalez

Professora visitante da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

ADAMS-THIE, B. Fluid bodies or bodily fluids: Bodily reconfigurations in cybersex. V.1 N. Journal of Language and Sexuality, 2012.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Palavras e ação. Conferência 2. Trad. Danilo Marcondes. Porto alegre: Artes Médicas 1990 [1962].

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, [2003] 1953-1954.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. ‘Poetics and performance as critical perspectives on language and social life’. In: American Review of Anthropology, v. 19, 1990, p. 59-88.

BERSANI, L. Is the rectum a grave? AIDS: Cultural analysis/Cultural activism, vol. 43, p. 1987, p. 197-222.

AUTOR[A]1, 2016.

AUTOR[A]1, 2020a.

AUTOR[A]1, 2020b.

BORBA, R. Linguística Queer: uma perspectiva pós-identitária para os estudos da Linguagem Revista Unisinos v. 9, n. 1, 2015.

BORBA, R. A linguagem importa? Sobre performance, performatividade e peregrinações conceituais. Cadernos Pagu, 43, p. 441-474, 2014.

BUTLER, J. El género en disputa: el feminismo y la subversión de la identidad [Gender trouble: Feminism and the subversion of identity]. Barcelona: Editorial Paidós, [1990] 2007.

BUTLER, J. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del ‘sexo’. Buenos Aires (Argentina): Editorial Paidós, [1993] 2002.

BUTLER, J. Lenguage, poder e identidad [Excitable speech: a politics of the performative]. Madrid: Editorial Sintesís, [1997] 2004.

BRAZIL, Conselho Nacional de Saúde, Resolução de Ética n.510, 2016.

COSTA, J. F. O vestígio e a aura: corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

DEBORD, G. A Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DERRIDA, J. Limited inc. Evanston: Northwestern University Press, 1988 [1972].

DERRIDA, J. Margens da filosofia. Trad. Joaquim Torres Costa e António M. Magalhães. Campinas-SP: Papirus Editora, 1991 [1972] .

DUBOIS, P. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Editora Papirus, 1998.

DUGGAN, L. The new Homonormativity: the sexual politics of neoliberalismo. In: CASTRONOVO, R. & NELSON, D. (Eds.). Materializing democracy: towards a revitalized cultural politics. Duke: Duke University Press, 1998.

FABRICIO, Mobility and Discourse circulation in the contemporary world: the turn of the referential screw. Revista Da Anpoll, 1(40), 129–140, 2016.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, [1972] 1984.

AUTOR[A]2, 2017.

AUTOR[A]2, 2016.

GURAN, M. Linguagem fotográfica e informação. Rio de Janeiro: Editora Gama Filho, 1999. GURAN, M. ‘Apresentação’. In: ROUILLÉ, A. A fotografia entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac SP, 2009.

KULICK, D. ‘No’. Language & Communication, 23, 2003, p. 139–151.

HARAWAY, D. Staying with the Trouble: Making Kin in the Chthulucene. Durham: Duke University Press, 2016.

MISKOLCI, R. & CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado 32 (3): 725–747, 2017.

MOITA LOPES, L. P. Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como lingüista aplicado In: MOITA LOPES, L.P. (Org.) Por uma Linguística Aplicada (In)disciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2005 [1839-1914].

PRECIADO, B. Texto Yonqui. Madrid: Editorial Espasa Calpe S. A., 2008.

PELÚCIO, L. Sexualidade, gênero e masculinidade no mundo dos t-lovers: a construção da identidade de um grupo de homens que se relacionam com travestis. SBS – XII CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, junho de 2005.

PINTO, J. P. O percurso da performatividade. Revista Cult, São Paulo, Editora Bregantini, 14 de novembro de 2013. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/o-percurso-da-performatividade-183-nov2013/

RACE, K. Towards a pragmatics of sexual media networking devices. Sexualities vol 21(8) p. 1325-1330, 2018.

ROUILLÉ, A. A fotografia entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac SP, 2009.

SILVERSTEIN, M. ‘Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life’. Language & Communication, v. 23, 2003, p. 193-229.

SONTAG, S. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

WILLIAMS, L. Hard Core: Power, Pleasure and the Frenzy of the Visible. Expanded Paperback Edition: University of California Press. Berkeley: University of California Press, 1999 [1989].

Downloads

Publicado

2022-11-24

Como Citar

BONFANTE, G. M.; GONZALEZ, C. R. PERFORMATIVIDADE DA IMAGEM E RESSEMANTIZAÇÃO DO ÂNUS: A performance da cuceta e a autenticidade de gênero. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 23, n. 62, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.116393. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/116393. Acesso em: 8 fev. 2023.