Experimentações Gráficas na Etnografia: Observações e Visualidades sobre a 32 Reunião Brasileira de Antropologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.116336

Palavras-chave:

Evento acadêmico, Experimentações, Epistemologias Gráficas, 32a RBA

Resumo

De que forma um evento científico brasileiro torna-se um espaço experimental para desafiar os limites das fronteiras disciplinares, especificamente, no campo da Antropologia? Neste artigo, o interesse está em explorar as potencialidades criativas evocadas nas atividades relacionadas à 32a Reunião Brasileira de Antropologia (RBA) que ocorreu pela primeira vez em formato remoto no ano de 2020. A etnografia online do evento contou com colagens e desenhos para possibilitar um debate mais amplo quanto às sutilezas de um campo disciplinar composto por gêneros: invisíveis, inaudíveis e indizíveis. Entre rupturas e continuidades as saídas são diversas e nesta fluidez que propõe-se encontrar o espírito vivo da construção da ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katianne de Sousa Almeida, Universidade Federal de Goiás

Doutoranda em Antropologia Social pela Universidade Federal de Goiás. Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal em Goiás, Especialista em História Cultural pela Universidade Federal de Goiás, Especialista em Processos e Produtos Criativos pela Universidade Federal de Goiás. Bacharel em Ciências Sociais com Habilitação em Antropologia, como também Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília e Bacharel em Design de Moda pela Universidade Federal de Goiás. Mediadora/Orientadora EAD no curso de Especialização em Educação para Diversidade e Cidadania/Direitos Humanos, realizado pelo Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Direitos Humanos/UFG. Orientadora nas linhas de pesquisa: Meio Ambiente e Educação em Direitos Humanos,  Direitos Humanos e Inclusão de Pessoas com Deficiência. Mediadora do Curso de Extensão: Tramas e Redes: Feminismos pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Projeto coordenado pelos Grupos Ocupa Madalena e Transas do Corpo, em parceria com a UFG (SER-TÃO, NDH), PUC/GO (PIMEP). Com o patrocínio do ELAS - Fundo de Investimento Social e Instituto Avon. Experiência na área de Humanidades, com ênfase em mídia, design e estudos urbanos, além de etnologia, com especificidade em arte indígena, patrimônio e museologia. Segue os estudos com foco em Antropologia Visual, comportamento, feminismo, moda, design e ilustração, com artigos publicados em revistas, livros e anais de congressos nestas áreas.

Referências

BALSA, Camila e BAZZO, Juliane. Notas sobre a pandemia: como conduzir uma etnografia durante o isolamento social, por Daniel Miller. [mensagem de um blog]. 2020. Disponível em: https://blogdolabemus.com/2020/05/23/notas-sobre-a-pandemia-como-conduzir-uma-etnografia-durante-o-isolamento-social-por-daniel-miller/. Acesso em: 20 dez.2020.

BAYNHAM, Mike e DE FINA, Anna. 2017. Narrative analysis in migrant and transnational contexts. In MARTIN-JONES, Marilyn e MARTIN, Deirdre (org.) Researching Multilingualism Critical and ethnographic perspectives. Abingdon, Oxon: Routledge, 2017, p. 31-45.

BLOMMAERT, Jan e JIE, Dong. Ethnographic fieldwork: a beginner’s guide. Bristol: Multilingual Matters Limited, 2010.

CAMERON, Deborah. Respect, Please! Investigating race, power and language. In CAMERON, Deborah et al (org.). Researching language: issues of power and method. Londres: Routledge, 1992, p. 113-130.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

HEATH, Shirley Brice e STREET, Brian V. On Ethnography: approaches to language and literacy research. New York: Teachers College Press, 2008.

KUSCHNIR, Karina. A antropologia pelo desenho: experiências visuais e etnográficas. Cadernos Arte e Antropologia, vol. 5, n. 2, p. 5-13, 2016. Disponível em: https://journals.openedition.org/cadernosaa/1095. Acesso em 23 dez. 2020.

MAGALHÃES, Izabel, MARTINS, A.R., RESENDE, V. de M. Análise de Discurso Crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2017.

MILLER, Daniel. Como conduzir uma etnografia durante o isolamento social. [arquivo de vídeo do Youtube]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NSiTrYB-0so. Acesso em: 19 dez. 2020.

OLESEN, Virgínia L. Os feminismos e a pesquisa qualitativa neste novo milênio. In: DENZIN, Norman; LINCOLN, Yvonna (org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 219-257.

SAMAIN, Etienne. 1994. Para que a Antropologia consiga tornar-se visual com uma breve bibliografia seletiva. In NETO, Antônio Fausto, BRAGA, J.L. e PORTO, Sérgio Bayrell (org.). BRASIL: comunicação, cultura, política. Rio de Janeiro: Diadorim Editora Ltda, 1994, p. 33-46.

TAMBOUKOU, Maria. 2015. Narrative Phenomena: Entanglements and Intra-actions in Narrative Research. In LIVHOLTS, Mona e TAMBOUKOU, Maria (org.). Discourse and narrative methods. Londres: Sage, 2015, p. 37-47.

TV ABA. Conferência 32a RBA – Michael Taussig. [arquivo de vídeo do Youtube]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KvuqFGwe4bI. Acesso em 19 dez. 2020.

ZANELLA, Andrea Vieira, PEIXOTO, Kércia Priscilla Figueiredo, COSTA, Thainá Castro. Instalações e interações, arte e vida. In GROSSI, Miriam Pillar e WELTER, Tânia (org.). Etnografia de um congresso: a organização do 18° Congresso Mundial de Antropologia no Brasil. Brasília (DF); Florianópolis (SC): Tribo da ilha, 2020, p. 175-180.

ZIMMERMANN, Martina. Researching student mobility in multilingual Switzerland: reflections on multi-sited ethnography. In MARTIN-JONES, Marilyn e MARTIN, Deirdre (org.). Researching Multilingualism Critical and ethnographic perspectives. Abingdon, Oxon: Routledge, 2017, p. 73-86.

Downloads

Publicado

2022-02-01

Como Citar

ALMEIDA, K. de S. Experimentações Gráficas na Etnografia: Observações e Visualidades sobre a 32 Reunião Brasileira de Antropologia. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 22, n. 59, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.116336. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/116336. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Relatos de Campo Etnográfico