PERFORMANCE DE GÊNERO E VIDEOARTE NO CURTA PINK OR BLUE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.116309

Palavras-chave:

Cinema, Cinema Experimental, Gênero, Sexualidade, Videoarte

Resumo

O presente artigo busca tensionar as relações – e representações – de gênero a partir da análise do curta-metragem Pink or Blue (2017), uma obra de videoarte resultante da parceria entre o diretor Jake Dypka e a poeta Hollie McNish. A primeira parte do texto debate Pink or Blue sob a perspectiva dos procedimentos técnicos e estéticos adotados em sua elaboração, em que ganham destaque a montagem espacial (MANOVICH, 2000) e a emergência de estéticas híbridas, decorrentes de articulações tensas nos planos sonoros e imagéticos do curta. Em uma segunda etapa, questões relacionadas à discussão sobre “generificação”, bem como ao papel desempenhado pelas instituições sociais para reforçar ou combater estereótipos, são trabalhadas em conjunto com o debate sobre os conceitos de performance de feminilidade e masculinidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Thielly Machado Silveira da Silva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Jornalista graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e mestranda em Ciências da Comunicação, com ênfase em Mídias e Processos Audiovisuais, pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Também cursa a Pós-graduação em Ciências Humanas: Sociologia, História e Filosofia, pela Pontifícia Universidade Católica do Brasil (PUCRS). Atuação na área audiovisual, trabalhando como editora de vídeos, cinegrafista e motion designer. Pesquisadora no Grupo de Pesquisa Audiovisualidades e Tecnocultura: Comunicação, Memória e Design (TCav)

Tiago Ricciardi Correa Lopes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Graduado em Publicidade e Propaganda pela ESPM-Sul, realizou mestrado e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). É docente da Escola da Indústria Criativa da UNISINOS, atuando nos níveis de graduação e pós-graduação. É pesquisador colaborador no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação - Linha de Pesquisa Mídias e Processos Audiovisuais / Grupo de Pesquisa Audiovisualidades e Tecnocultura: Comunicação, Memória e Design (TCAv). Desenvolve pesquisas na área de Comunicação sobre temas relacionados à tecnocultura digital e audiovisual. Foi coordenador do curso de graduação em Publicidade e Propaganda da UNISINOS (campus Porto Alegre) e desempenha, atualmente, a função de gerente acadêmico dos cursos de graduação da referida instituição.

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Annablume, 2013.

HALBERSTAM, Judith. Female Masculinity. Durham: Duke University Press, 1998.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Puc-Rio, 2016.

HUHTAMO, Erkki. Elementos de Screenologia: em direção a uma arqueologia da tela. Revista de Audiovisual Sala 206, n. 03, 2013.

LOPES, Tiago. R. C.; MONTAÑO, Sonia; KILPP, Suzana. Montagem espacial e potencialidades do audiovisual locativo no cenário urbano. Revista Eco-Pós (Online), v. 17, p. 1-11, 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

______. Guacira Lopes et al (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

______. Guacira Lopes. Um corpo estranho: Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. 96 p.

MANOVICH, Lev. Database as a Genre of New Media. AI & Soc (2000) 14: 176-183. Disponível em http://link.springer.com/article/10.1007/BF01205448

PARENTE, André. Cinema em trânsito: do dispositivo do cinema ao cinema do dispositivo. In: PENAFRIA, Manoela; MARTINS, Índia Mara. Estéticas Do Digital. Cidade: editora, 2007, p 3-32.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Passagens da imagem: pintura, fotografia, cinema, arquitetura. In PARENTE, André (Org.). Imagem-Máquina: A era das tecnologias do virtual. São Paulo: Ed. 34, 1993, p. 237-252.

PINK or Blue. Direção de Jake Dypka. Produção de Indy8. [s.i.]: Jake Dypka, 2017. (3 min.), son., color. Disponível em: https://vimeo.com/223503242. Acesso em: 16 jul. 2020.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: a história de um conceito. In: ALMEIDA, Heloisa Buarque de; SZWAKO, José (org.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia Editores, 2009, p. 116-149.

SIREN. SIREN Scores Jake Dypka and Hollie McNish's Gender Equality Collab 'Pink & Blue'. 2017. Disponível em: https://www.lbbonline.com/news/siren-scores-jake-dypka-and-hollie-mcnishs-gender-equality-collab-pink-blue. Acesso em: 16 jul. 2020

Downloads

Publicado

2022-11-24

Como Citar

MACHADO SILVEIRA DA SILVA, A. T.; RICCIARDI CORREA LOPES, T. PERFORMANCE DE GÊNERO E VIDEOARTE NO CURTA PINK OR BLUE. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 23, n. 62, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.116309. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/116309. Acesso em: 27 mar. 2023.