O corpo masculino enquanto estratégia feminista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1984-1191.116074

Palavras-chave:

Olhar, Representação, Nu masculino, Historiografia, Gênero

Resumo

O artigo O corpo masculino enquanto estratégia feminista trata da criação de imagens do corpo masculino produzidas por artistas mulheres após os anos 70, examinadas enquanto método consciente utilizado para transformar os estereótipos da representação do nu masculino, historicamente construída pelo próprio olhar masculino, sujeito dominante no discurso histórico. O olhar feminino para as representações do corpo masculino somado às teorias de gênero permitem avançar nas discussões referentes às relações sociais pré-determinadas e questionar as próprias prerrogativas institucionais da história da arte que levaram à exclusão de artistas mulheres enquanto produtoras relegando-as a papéis secundários segundo códigos visuais, sociais e sexuais tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Massote Lima, PPGAV-EBA/UFRJ

Bacharel em História da Arte pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Pós-graduada em Fotografia e Imagem na Universidade Cândido Mendes (UCAM). Mestra em Imagem e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais - EBA da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

VICENTE, Felipa L. A arte sem história. Mulheres e cultura artística (Século XVI-XX). Lisboa: Babel, 2012. p. 198.

NOCHLIN, Linda. Por que não existiram grandes artistas mulheres? Nova York: ArtNews, 1971. p. 25.

LEOPOLD, Elizabeth; NATTER, Tobias. Nude Men. From 1800 untill the presente day. Leopold Museum. Viena: Hirmer, 2013. Catálogo da exposição. p. 38.

CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges; (Org.). História da Virilidade. Obra em 3 volumes. Petrópolis: Editora Vozes, 2013. p. 41.

CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges; (Org.). História da Virilidade. Obra em 3 volumes. Petrópolis: Editora Vozes, 2013. p. 418.

BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999. p. 137-140.

BARROS, Roberta. Elogio ao toque. Ou como falar de arte feminina à brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Do Autor, 2016. p. 51.

BARROS, Roberta. Elogio ao toque. Ou como falar de arte feminina à brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Do Autor, 2016. p. 45.

VICENTE, Felipa L. A arte sem história. Mulheres e cultura artística (Século XVI-XX). Lisboa: Babel, 2012. p. 28.

GOLDEN, Eunice. The Male Nude in Women’s Art. Dialectics of a Feminist Iconography. In: Sex Issue. Heresies #12. p. 42 Disponível em: <http://heresiesfilmproject.org/wp-content/uploads/ 2011/09/heresies12.pdf>.

MULVEY, Laura. Visual and Other Pleasures. Nova York: Palgrave, 1989. p. 47

VICENTE, Felipa L. A arte sem história. Mulheres e cultura artística (Século XVI-XX). Lisboa: Babel, 2012. p. 20.

POLLOCK, Griselda. Visión y diferencia . Feminismo, feminidad e historias del arte. Buenos Aires: Fiordo, 2013. p. 36

NOCHLIN, Linda. Por que não existiram grandes artistas mulheres? Nova York: ArtNews, 1971. p. 16

SCOTT, Joan. Gênero: Uma Categoria Útil para Análise Histórica. Nova York: Columbia University Press, 1989. p. 4.

POLLOCK, Griselda. Visión y diferencia . Feminismo, feminidad e historias del arte. Buenos Aires: Fiordo, 2013. p. 29 e 210.

Downloads

Publicado

2022-02-01

Como Citar

LIMA, G. M. O corpo masculino enquanto estratégia feminista. ILUMINURAS, Porto Alegre, v. 22, n. 59, 2022. DOI: 10.22456/1984-1191.116074. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/116074. Acesso em: 28 jan. 2023.