Braços cortados: o realismo fílmico e a antropologia visual

Peter Anton Zoettl

Resumo


A antropologia visual, desde os seus primeiros dias, vive perseguida pelo fantasma do paradigma «realista». Enquanto na antropologia textual o debate do writing culture finalmente desacreditou a ideia de uma escrita "objectiva", a reflexão teórica e a práxis fílmica dos antropólogos que empregam imagens na sua produção e representação de saberes, repetidamente continua a se referir a noções «realistas» como fonte da sua metodologia. O artigo sugere uma semelhança estrutural entre as ideias «realistas» antropológico-visuais, e o discurso do «realismo» fílmico, como aparece na história do cinema nos escritos de Bazin e outros autores. Partindo desse pressuposto, propõe-se uma maior liberdade “artística” nos trabalhos etnográficos filmados, para que a antropologia visual consiga, deste modo, tirar maior proveito das capacidades sintéticas e analíticas das imagens em movimento.


Palavras-chave


antropologia visual, imagem, etnografia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.10108

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - NUPECS/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191