Como avaliar o processo inflamatório em crianças com excesso de peso?

Fernanda Miraglia, Elza Daniel de Mello

Abstract


A obesidade é um fenômeno mundial com o aumento da prevalência, especialmente em áreas urbanas e na população infantil. O tecido adiposo não é mais considerado apenas como um regulador de temperatura corporal ou um protetor mecânico, mas um órgão endócrino que libera adipocinas de ação pró- inflamatória, formando um elo entre adiposidade, síndrome metabólica e doenças cardiovasculares e a inflamação é um estado conseqüente à obesidade. O Fator de Necrose Tumoral (TNF- α), Interleucina- 6 (IL-6) e Fator Inibidor do Plasminogênio (PAI-1) são exemplos de substâncias liberadas pelo tecido adiposo, especialmente pelo depósito de gordura abdominal, que contribuem para a resistência á insulina. A leptina e adiponectina são as adipocinas mais abundantes sintetizadas pelo tecido adiposo que tem atuação no metabolismo dos lipídeos e carboidratos, regulando os processos metabólicos. A proteína C reativa ultrasensível (PCR-us) é um biomarcador do processo aterosclerótico, e também esta envolvida na patogênese da aterosclerose, pois é produzida no fígado em resposta á citocinas inflamatórias. O tecido adiposo em excesso promove o aumento das adipocinas circulantes que desencadeiam uma série de alterações corporais, relacionados á eventos cardiovasculares. O tratamento da obesidade que acarrete em mudanças no estilo de vida, com a redução da gordura visceral, ainda são as medidas mais eficazes para diminuição do processo inflamatório, especialmente na população infanto juvenil.

Keywords


obesidade, inflamação, criança



Copyright (c)



ISSN: 2357-9730 

http://seer.ufrgs.br/hcpa/

   

  

 

Apoio Financeiro:

  

 

Licença Creative Commons
The Clinical & Biomedical Research is licenced under Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.