CARCINOMA HEPATOCELULAR

MANEJO CIRÚRGICO ATUAL

Autores

  • Aljamir D. Chedid
  • Marcio F. Chedid

Palavras-chave:

Carcinoma hepatocelular, hepatectomia, transplante

Resumo

Esta é uma revisão sobre o manejo cirúrgico do carcinoma hepatocelular, complicação freqüente e importante da cirrose hepática, e que é considerado, atualmente,
uma doença pré-maligna. A hepatite B e a hepatite C crônica também são fatores de risco importantes. Com cerca de 5 cm de tamanho, o nódulo regenerativo passa a perder diferenciação e a demonstrar invasão vascular microscópica. Apenas cerca de 15% dos carcinomas hepatocelulares são passíveis de intervenção cirúrgica potencialmente curativa no momento do diagnóstico. O diagnóstico diferencial com outros tumores hepáticos é efetuado através da fase arterial da tomografia computadorizada. O único tratamento potencialmente curativo para carcinoma hepatocelular, atualmente, é a ressecção do tumor, seja esta realizada através de hepatectomia parcial ou de hepatectomia total com transplante hepático. Pacientes portadores de cirrose hepática Child C não devem ser submetidos a ressecção hepática parcial. Para estes, as opções terapêuticas restringem-se apenas ao transplante hepático quando selecionáveis. Atualmente, os pacientes cirróticos portadores de hepatocarcinoma podem ser transplantados desde que tenham lesão única com até 5 cm ou até três lesões de, no máximo, 3 cm cada. A sobrevida em 5 anos para pacientes transplantados pode alcançar 70%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-07-27

Como Citar

1.
D. Chedid A, F. Chedid M. CARCINOMA HEPATOCELULAR: MANEJO CIRÚRGICO ATUAL. Clin Biomed Res [Internet]. 27º de julho de 2022 [citado 1º de março de 2024];22(3). Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/126169

Edição

Seção

Artigos de Revisão