O erotismo não deve ser apagado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2236-3254.133979

Resumo

Este artigo reflete sobre a conformação erótica na criação artística em dança. Busca-se compreender o erotismo distorcido na mediação da sociabilidade através do consumo pela qual a deprecia como agente pornográfico. A fim de apresentar a potencialidade no fazer-criativo e propor uma discussão que afaste qualquer ideal que submete aos corpos uma violação sobre o próprio sentir, utiliza-se uma análise qualitativa sobre a percepção erótica de Audre Lorde. A partir dessa reflexão conclui-se ser necessário o artista tomar consciência de si e do mundo de modo que possa provocar verdadeiras mudanças em prol de uma sociedade em que o sensual ganhe suas dimensões mais profundas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingrid Labeta, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Mestranda em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, é profissional da Dança, pós-graduada em Neuropsicomotricidade e Neurociência Pedagógica pela AVM/UCAM  e licenciada em Dança pela Universidade Candido Mendes, UCAM.

Downloads

Publicado

2024-01-22

Como Citar

Labeta, I. (2024). O erotismo não deve ser apagado. Cena, 42(1), 01–16. https://doi.org/10.22456/2236-3254.133979