Ressonâncias machadianas no romance <i>Budapeste</i>, de Chico Buarque

Autores

  • Francielli Noya Toso Universidade Federal do Espírito Santo
  • Wolmyr Aimberê Alcantara Filho

DOI:

https://doi.org/10.22456/2236-6385.128467

Resumo

São investigadas algumas aproximações entre o romance Budapeste, de Chico Buarque, e os romances da fase mais madura de Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro e Memorial de Aires. A comparação se dará a partir das ações dos narradores, que têm como principais pontos de encontro a volatilidade e os movimentos de descobrir e encobrir. Levaremos em conta os estudos de Roberto Schwarz (2000) e John Gledson (2003) sobre as obras de Machado de Assis. Com base nesse exercício, desnudamos a relação reificada que o narrador do romance Budapeste, de Chico Buarque, possui com a literatura, identificando como os narradores de Machado de Assis e suas contradições sociais ocultadas ecoam no projeto formal do autor contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-07-17

Como Citar

TOSO, F. N.; ALCANTARA FILHO, W. A. Ressonâncias machadianas no romance <i>Budapeste</i>, de Chico Buarque. Cadernos do IL, [S. l.], n. 64, p. 154–171, 2023. DOI: 10.22456/2236-6385.128467. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/cadernosdoil/article/view/128467. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos de estudos literários