Catolicismo e poder no Congo: o papel dos intermediários nativos, séculos XVI a XVIII

Marina de Mello Souza

Resumo


Ao incorporar formas de exercício do catolicismo ao modo de vida local, tornando-o um importante elemento na afirmação de hierarquias de poder, os dirigentes do Congo passaram a conviver com missionários e recorreram à escrita e à religião para se relacionarem com os novos agentes que passaram a atuar em suas terras a partir do final do século XV, especialmente a Coroa portuguesa e a Igreja Católica, com sede em Roma. Os sacerdotes e catequistas nativos, formados pelas escolas dos missionários em terras conguesas e angolanas, ou mesmo em Lisboa, foram centrais na estruturação de novas práticas e crenças que aliavam elementos cristãos aos tradicionais da região. Tomamos como exemplo disso um determinado sacerdote: D. Calixto Zelotes dos Reis Magos, sobre o qual temos informações esparsas e que teve papel de destaque em algumas situações da política local.


Palavras-chave


Congo cristão; Sacerdotes congueses; Poderes locais

Texto completo:

PDF

Referências


BROADHEAD, S. H. Beyond decline: the Kingdom of the Kongo in the eighteenth and nineteenth-centuries. International Journal of African Historical Studies, n. 12, p. 615-650, 1979.

CADORNEGA, A. de O. História das Guerras Angolanas, 1680. 3 vols. Anotado e corrigido por José Matias Delgado. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1972.

CAVAZZI DE MONTECUCCOLO, J. A. Descrição histórica dos três reinos do Congo, Matamba e Angola. Tradução, notas e índice pelo Pe Graciano Maria de Leguzzano. Lisboa: Junta de Investigação do Ultramar, 1965 (1687).

CRAEMER, Willy de; VANSINA, Jan; FOX, Renée. Religious movements in Central Africa: a theoretical study. Comparative Studies in Society and History, v. 18, n. 4, p. 458-475, oct. 1976.

FROMONT, C. Under the sign of the cross in the kingdom of Kongo: Religious convertion and visual correlation in early modern Central Africa. Anthropology and Aesthetics, n. 59-60, Spring-Autumn 2011, p. 109-123.

GAETA, A. da; GIOIA, F. M. La maravigliosa conversione alla santa fede di Cristo della regina Singa, e del suo regno di Matamba nell’Africa Meridionale. Descrita com histórico stile dal P.F. Francesco Maria Gioia da Napoli. Napoli: Giacinto Pássaro, 1669.

HILTON, A. The Kingdom of Kongo. Oxford: Oxford University Press, 1985.

MACGAFFEY, W. Dialogues of the deaf: Europeans on the Atlantic coast of Africa. In: SCHWARTZ, S. (Ed.). Implicit Understandings. Observing, Reporting, and Reflecting on the Encounters Between Europeans and Other People in Early Modern Era. Cambridge: Cambridge University Press, 1994, p. 249-267.

RADULET, C. M. A relação de Rui de Pina e a “Relação do reino do Congo”. Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1992.

SAPEDE, T. C. Muana Congo, Muana Nzambi Ampungu. Poder e Catolicismo no reino do Congo pós-restauração (1769-1795). Dissertação (mestrado), Programa de Pós-Graduação em História Social, FFLCH, USP, 2012. (no prelo: São Paulo: Alameda e FAPESP)

SOUZA, M. de M. e. Crucifixos centro-africanos: um estudo sobre traduções simbólicas. In: ALGRANTI, Leila Mezan; MEGIANI, Ana Paula Torres (Orgs.). O Império por escrito: Formas de transmissão da cultura letrada no mundo ibérico, séculos XVI-XIX. São Paulo: Alameda, 2009. p. 333-354.

THORNTON, John K. Early Kongo-Portuguese relations: a new interpretation. In: HENIGE, David (Org.). History in África. A Journal of Method. Massachussetts: Brandeis University, African Studies Association, v. 8, 1981. p. 183-204.

______. The development of an African Catholic Church in the Kingdom of Kongo, 1491-1750. Journal of African History, n. 25, 1984. p.147-167.

______. Afro-Christian Syncretism in the Kingdom of Kongo. The Journal of African History, v. 54, issue 1, March 2013, p. 53-77.

VANSINA, Jan. Kingdoms of the Savanna. Madison: The University of Wisconsin Press, 1966.




DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.46181

Anos 90 - Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul