QUANDO A MEMÓRIA TRADUZ SENTIMENTOS: Narrativas da Ditadura Civil-Militar na Amazônia Paraense (1964-85)

Autores

  • JAIME CUÉLLAR VELARDE Secretaria de Estado de Educação do Pará
  • AGENOR SARRAF PACHECO Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Memórias, Experiências, Ditadura Civil-Militar, Amazônia Paraense,

Resumo

O trabalho analisa experiências de sujeitos culturais paraenses que vivenciaram práticas de exceção agenciadas pela Ditadura Civil-Militar na Amazônia Paraense, no período de 1964-1985. Fundamento em conteúdos e performances corporais captados em narrativas orais e operando com perspectivas de análise dos Estudos Culturais e da História Oral, o artigo explora sentimentos que afloram nas memórias dos entrevistados para perceber como, no contexto da pesquisa, traduziram avaliações, posições, visões de mundo acerca das difíceis experiências pessoais e coletivas compartilhadas nos tempos do golpe militar. Como resultado a perplexidade, o orgulho, o medo, o ressentimento, a esperança e a superação são sentimentos mais perceptíveis nas narrativas. Todos os narradores, de alguma maneira, deixaram mais que registros de memórias. Causaram algum tipo de ensinamento para uma postura de vida mais equilibrada, menos caótica e mais humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

JAIME CUÉLLAR VELARDE, Secretaria de Estado de Educação do Pará

Mestre em Comunicação, Linguagens e Cultura pela Universidade da Amazônia (UNAMA - 2010); Especialista em História do Brasil pela Universidade Vale do Acaraú (UVA - 2004-2005); Licenciado Pleno e Bacharel em História pela Universidade Federal do Pará (UFPA-1995-1999). Professor Efetivo da Rede Estadual de Educação do Pará (SEDUC - a partir de 2007). Atuou como Coordenador de Implantação e professor da Faculdade de Educação Tecnológica (FACETE-PA) e como professor nos cursos de graduação da Universidade Vale do Acaraú (UVA/Belém). Atua como Professor do Programa Parfor na Universidade Federal do Pará (Ufpa) e Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Bolsista da Fundação Instituto para o Desenvolvimento da Amazônia, no projeto: Entre Crônicas, Reportagens e Romances, sob a coordenação do Prof. Dr. Agenor Sarraf Pacheco. Pesquisa na área de Memórias e Linguagens de Sujeitos Culturais durante a Ditadura Militar na Amazônia Paraense. Membro da Comissão Nacional da Verdade - Anpuh/PA, do GT Ditadura e Gênero. Membro da Equipe Técnica da Comissão Estadual da Verdade - Pará

AGENOR SARRAF PACHECO, Universidade Federal do Pará

Doutor em História Social (PUC-SP, 2009); Mestre em História Social (PUC-SP, 2004); Especialista em Métodos e Técnica em Elaboração de Projetos Sociais (PUC-MG, 2002) e Licenciado Pleno e Bacharel em História (UFPA, 1999). Discute teoricamente Estudos Culturais Britânicos, Latino-Americanos, Pensamento Pós-Colonial e Decolonial nas interfaces com os campos da História, Museologia, Antropologia, Literatura, Arte, Educação e Comunicação. Tem experiência na área de História Social da Cultura, História Sociocultural da Amazônia Marajoara, História e Cultura Africana, Afro-Brasileira e Afroindígena. Coordena o Grupo de Pesquisa Estudos Culturais na Amazônia (GECA/CNPq/UFPA). Professor Adjunto II da Universidade Federal do Pará (UFPA), lotado no Instituto de Ciências da Arte (ICA), vinculado à Faculdade de Artes (FAV), ao Curso de Museologia e aos Programas de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) e História Social da Amazônia (PPHIST). Diretor do Arquivo Público do Estado do Pará (APEP). Atua especialmente nos temas: Patrimônio, Cosmologia, Religiosidade, Cartografia, Oralidade, Memória, Identidades, Visualidade, Interculturalidade, Saber Local, Cidade-Floresta e Cultura Afroindígena.

Downloads

Publicado

2014-12-30

Como Citar

VELARDE, J. C.; PACHECO, A. S. QUANDO A MEMÓRIA TRADUZ SENTIMENTOS: Narrativas da Ditadura Civil-Militar na Amazônia Paraense (1964-85). Revista Aedos, [S. l.], v. 6, n. 15, 2014. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/52635. Acesso em: 27 jun. 2022.