Herói ou traidor? Os biógrafos de Dámaso Larrañaga frente à ideia de nação

Autores

  • Lauro Manzoni Bidinoto Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Relações de Poder Político-Institucionais

Resumo

Neste artigo procurei analisar de que forma as duas principais biografias de Dámaso Antonio Larrañaga (1771-1848) foram influenciadas pela tese equivocada de que a“nação uruguaia” estaria prefigurada desde os primeiros movimentos revolucionários (ou antes deles). No caso da biografia escrita por Rafael Algorta Camusso, Dámaso Antonio Larrañaga: apuntes para su biografia (1922), pude constatar a filiação do autor a esta ideia, uma vez que as atitudes do personagem são “julgadas” a partir de seu comportamento para com a suposta “nação uruguaia”. Já em Dámaso Antonio Larrañaga: su vida y su época, de Edmundo Favaro (1950), ainda que o autor situe o nascimento da nação em momento um pouco posterior, há passagens que denotam certa reprovação ao personagem pelo fato de ele ter apoiado alternativas que diferiam daquela que posteriormente triunfaria, o Uruguai independente.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauro Manzoni Bidinoto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em História na UFRGS; bolsista da Capes.

Downloads

Publicado

2012-07-10

Como Citar

BIDINOTO, L. M. Herói ou traidor? Os biógrafos de Dámaso Larrañaga frente à ideia de nação. Revista Aedos, [S. l.], v. 4, n. 10, 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/aedos/article/view/24635. Acesso em: 26 jun. 2022.