O PROTÓTIPO DA MALANDRAGEM NO CORDEL ENCONTRO DE CANCAO DE FOGO COM PEDRO MALASARTES

Maria José Lopes Pedra, Comissão Editorial Nau Literária

Resumo


A literatura de cordel é um gênero literário popular que aborda temas como; a novela, a política, a culinária, fatos do dia-a-dia, e, acontecimentos históricos que são (re)lembrados por meio de ações heroicas de personagens do folclore português/brasileiro. Ou seja, tal literatura serve como fonte de informação, que tem como objetivo levar ao povo diferentes visões de mundo. Neste trabalho, objetiva-se expor argumentos reflexivos sobre a malandragem presente no cordel Encontro de Cancão de Fogo com Pedro Malasartes, de Minelvino Francisco Silva (1957), propondo, assim, ressaltar a importância das personagens para a sociedade atual. Tanto Pedro Malasartes, quanto Cancão de Fogo se destacam nas histórias por suas características pitorescas. Malasartes é símbolo de resistência em diversos países, onde suas narrativas sempre levam um cunho de crítica social. Cancão de Fogo é um anti-herói, considerado o porta-voz da classe menos favorecida, uma vez que ele usa de suas malandragens e astúcias para combater os opressores. As características apresentadas em ambos os personagens, servem para desconstruir a ideia de que o sertanejo é desprovido de inteligência, pois eles constroem suas armas por meio da criatividade, armas essas, que sempre acabam dando certo no decorrer das aventuras. Sendo assim, esses personagens são figuras do folclore brasileiro que se utilizam da astúcia e da inteligência para sobressair-se em diversas situações. Pedro Malasartes e Cancão de Fogo adquirem as características de anti-herói e do malandro que vão contra a ascensão e a ordem social vigente, agindo, assim, em prol da sobrevivência. Tais personagens passam da oralidade para a escrita, contribuindo, para formação cultural de um povo. Por esta ótica, Cancão de Fogo e Pedro Malasartes são figuras muito presentes nos cordéis, surgindo como reflexo do sertanejo que é visto como inferior pela classe dominante. Desse modo, analisa-se nesse trabalho toda a construção simbólica das personagens no cordel, evidenciando traços relacionados ao povo nordestino. Partindo desta constatação, fez-se necessária uma pesquisa bibliográfica, pautando-se nas teorias de Haurélio (2010), Da Matta (1997), Abreu (2004), Cascudo (1979, 2000), e Cândido (1970) que fundamentam esse artigo. Assim, verificou-se que a malandragem explícita no cordel se faz presente para evidenciar os divergentes problemas sociais onde as pessoas que fazem parte da classe menos favorecida, muitas vezes, tende a contar com o jeitinho a fim de conseguir seus objetivos.

Palavras-chave


Cordel; Malandragem; Canção de Fogo; Pedro Malasartes.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.43379

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul