“AFINAL, SOMOS TODOS IGUAIS?

A INVISIBILIDADE DA TEMÁTICA INDÍGENA NO AMBIENTE ESCOLAR”

Autores

  • Luanne Passos Nunes UFJF
  • Beatris Cristina Possato IF SUDESTE MG
  • Juliana Pereira dos Santos UMINHO

Resumo

O presente artigo pretende discutir a temática indígena na contemporaneidade, sobretudo no ambiente escolar, a partir do projeto de extensão e ensino “(R)existências” realizado no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, Campus Santos Dumont, que proporcionou o encontro entre o grupo Sabuká da aldeia Kariri-Xocó e alunos do curso de graduação em Licenciatura em Matemática, da pós-graduação em Práticas Pedagógicas na Educação Contemporânea latu sensu, do Ensino Médio Integrado e comunidade. O artigo busca problematizar questões como: o ensino da temática indígena no ambiente escolar e a formação de professores, a romantização da cultura indígena e a permanência de estereótipos sobre os povos originários, o etnocentrismo e a Lei nº 11.645/08, entre outros.  Para isso, utilizou metodologicamente a análise documental e a avaliação dos participantes dos eventos de extensão para a coleta de dados. Verificou-se que a instituição educativa deve promover o encontro das diversidades, por meio do exercício do diálogo, permitindo adquirir conhecimento do outro. Somente a partir da promoção desses encontros que a escola consegue democratizar o ensino e o espaço escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

PASSOS NUNES, L.; POSSATO, B. C.; PEREIRA DOS SANTOS, J. . “AFINAL, SOMOS TODOS IGUAIS? : A INVISIBILIDADE DA TEMÁTICA INDÍGENA NO AMBIENTE ESCOLAR”. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 171–180, 2022. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/123762. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS