Reinventando a cidade – mulheres, antropólogos e a temporalidade na cidade contemporânea

Micheline Ramos de Oliveira, Ana Luiza Carvalho da Rocha

Resumo


A cidade considerada como “objeto temporal” (Rocha & Eckert, 2005) é o que viabiliza a escritura desse artigo que tem como objetivo último a apropriação de narrativas biográficas (Ricoeur, 2007) de mulheres citadinas que trazem em suas trajetórias nítidos itinerários urbanos demarcadores de um “viver a cidade” constituído de “um tempo coletivo que as ultrapassa”, mas que porém, como poderemos observar nas narrativas de Fênix e Domitila uma durée social que “lhes confere um lugar determinado na forma como suas decisões alocam-se num espaço determinado”(Rocha & Eckert, 2005), seja esse espaço representado aqui, por exemplo, por Salvador e São Paulo no caso de Fênix ou Campo Grande e Rio de Janeiro se nos debruçarmos no itinerário de Domitila.

 

Ainda, a eleição de uma escrita voltada para a problematização do “tempo e a cidade” numa tese sobre mulheres e violências deve alertar que para além e no entremeio de um suposto caos formatado por vivências conflituosas e de violências existe “a cidade e seus territórios como fruto de uma consolidação temporal vivida na errância das formas de vida social dos grupos urbanos que a ela pertencem, configuradas e reconfiguradas” (Rocha e Eckert, 2005: 96), nesse caso, pelas narrativas biográficas de Fênix e Domitila, que fornecem, a meu ver, elementos bastante elucidativos no que diz respeito a relevância de se focalizar “na” e “a” cidade os estudos de violências no Brasil contemporâneo.

 

Aqui antes de fazer a defesa de um estudo inóspito da cidade, pela cidade, estase compartilhando das reflexões citadinas que perpassam estudiosos desde a Escola de Chicago, como Simmel, Park, Wirth, etc, fenomenólogos, como Schutz e o tupiniquim Gilbero Velho, até as pesquisadoras brasileiras sulistas Eckert e Rocha, que conduzem seus estudos na cidade por uma ótica hermeneuta, que por sua complexidade (Morin, 1999), abarca o “pensamento da diferença”. Segundo as autoras: “Essa intenção metodológica que aborda o fenômeno urbano a partir de uma razão hermenêutica remete ao enfoque da “unidade estilística” da cidade como objeto temporal, fora de um círculo vicioso” (Rocha & Eckert, 2005:95).

 

Assim, ainda com as autoras, nesse estudo, o foco concentra-se no “conhecimento compreensivo da cidade segundo os acontecimentos anódinos que ocorrem no seu interior e a efervescência que rege a vida ordinária de seus habitantes” (Rocha & Eckert, 2005: 95), como poderemos averiguar nos densos, extensos, mas creio necessários relatos de nossas protagonistas que serão apresentados ainda nesse capítulo mais adiante.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.9375

Revista Iluminuras - Publicação Eletrônica do Banco de Imagens e Efeitos Visuais - BIEV/LAS/PPGAS/IFCH/UFRGS

E-ISSN 1984-1191